Leo Malafaia/AFP
Leo Malafaia/AFP

Encontro entre Lula e Ciro não põe fim a disputa entre PT e PDT

Ex-presidente e ex-ministro retomam diálogo, mas não traçam estratégia eleitoral conjunta; Gleisi exige pedido de desculpas de pedetista

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2020 | 17h32

Após a notícia de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro Ciro Gomes se encontraram em setembro e fizeram as pazes, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, condicionou a reaproximação entre as duas maiores lideranças da esquerda no Brasil a um pedido público de desculpas do pedetista ao PT.

“Lula é um homem generoso, de coração grande. Mas eu, particularmente, penso que qualquer aproximação com Ciro Gomes passa por um pedido público de desculpas dele ao Lula e ao PT, pelo que ele disse, principalmente ao Lula”, disse Gleisi.

A pedido de Lula o encontro estava sendo mantido em sigilo para não melindrar a base petista, que elegeu Ciro como adversário, às vésperas da eleição municipal. A assessoria do petista não quis comentar o assunto.

Gleisi também cobrou de Ciro um “gesto” pedindo o fim dos ataques do PDT à candidata petista à prefeitura de Fortaleza, Luiziane Lins. “Qualquer gesto que contribua para unir a oposição é importante. Espero que os Ferreira Gomes façam um gesto nesta direção, pedindo a seu candidato em Fortaleza para cessar os ataques à candidata do PT, Luiziane Lins”, disse Gleisi à radio Arapuan FM de João Pessoa (PB).

Luiziane ocupava a segunda colocação nas pesquisas, atrás do líder Capitão Wagner (PROS), mas foi ultrapassada pelo candidato dos Ferreira Gomes, José Sarto, no levantamento do Datafolha divulgado nesta quarta-feira, 28. Fortaleza é uma das únicas capitais em que o PT tem chance real de vitória.

Lula e Ciro se encontraram em setembro na sede do Instituto Lula, em São Paulo, e conversaram durante toda a tarde. O encontro, revelado pelo jornal O Globo, foi intermediado pelo governador do Ceará, Camilo Santana, petista e aliado da família Ferreira Gomes no Estado.

Somente os três participaram da conversa. Segundo interlocutores de Lula e Ciro, os dois falaram superficialmente sobre a necessidade de união da esquerda para combater o bolsonarismo, mas não chegaram a traçar planos ou estratégias eleitorais com juntas.

Mesmo assim o encontro gerou expectativas de que possa ter repercussões concretas ainda no segundo turno das eleições municipais deste ano e em 2022. “Isso sinaliza a necessidade de unidade das esquerdas no Brasil. Espero que este encontro tenha uma projeção para 2022 e também para o segundo turno das eleições deste ano”, disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), secretário-geral do partido. 

Ciro e Lula não se falavam desde 2018, quando ocuparam lados opostos na disputa presidencial. O PT chegou a oferecer a Ciro a posição ocupada por Fernando Haddad de vice que se tornaria cabeça de chapa com o impedimento de Lula pela Justiça Eleitoral. Depois disso o pedetista, que foi ministro no governo petista, passou a explorar o espaço de opção ao petismo na esquerda. 

Desde então a escalada de ataques verbais aumentou. O mais notório foi quando, em um evento da campanha de 2018, Cid Gomes, irmão de Ciro, disse para um manifestante: “Lula tá preso, babaca”. Na sequência, Ciro se recusou a declarar apoio a Haddad no segundo turno e virou alvo dos petistas em discursos e nas redes sociais. Nas eleições deste ano o afastamento se cristalizou com a aproximação entre PDT e PSB por um lado e PT e PSOL por outro.

A iniciativa do encontro partiu de Santana. O governador procurou Ciro e Lula, aparou arestas e viabilizou a reaproximação. A tarefa demandou mais de um mês e dezenas de telefonemas. Desde então Lula tem incluído Ciro no rol de nomes fortes da esquerda para 2022 e o pedetista cessou os ataques ao PT.

Segundo o presidente do PDT, Carlos Lupi, o resultado mais importante do encontro foi a retomada do canal de diálogo entre dois grandes líderes da esquerda no país. “Serviu para quebrar o gelo. O diálogo tem que ser permanente”, disse Lupi.

O dirigente, no entanto, minimizou o impacto eleitoral do encontro. “Antes de falar de segundo turno ou de 2022 temos que passar pelo primeiro turno”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.