Filipe Strazzer / Estadão
Filipe Strazzer / Estadão

Empresários do RS pressionam candidatos ao governo por saídas para a crise financeira do Estado

Postulantes ao Palácio Piratini foram questionados durante painel da revista Voto, que discutiu privatizações e Regime de Recuperação Fiscal

Filipe Strazzer, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2018 | 18h01

PORTO ALEGRE - Empresários do Rio Grande do Sul pressionaram candidatos ao governo gaúcho por soluções para a crise financeira no Estado, na manhã desta segunda-feira, 3, durante painel organizado pela revista Voto em Porto Alegre. José Ivo Sartori (MDB), que tenta a reeleição, Eduardo Leite (PSDB), Jairo Jorge (PDT) e Mateus Bandeira (Novo) foram questionados sobre temas como o Regime de Recuperação Fiscal e privatizações de estatais.

Com dificuldades para aprovar medidas anticrise na Assembleia Legislativa, Sartori respondeu a  questões sobre maneiras de equilibrar as contas do Estado diante desse cenário no Legislativo. O governador defendeu, principalmente, mudanças na previdência estadual. "Mesmo que tenhamos aprovado a previdência pública complementar, ela vai levar para ter equilíbrio de 25 para 30 anos. Quem quiser se aposentar melhor vai ter que contribuir e o Estado também, com sua parte", disse. Sartori também defendeu a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que permite ajuda federal - e exige como contrapartida privatizar ou federalizar estatais.

O pedetista Jairo Jorge criticou o RRF. Ao ser questionado sobre sua posição acerca do plano, o candidato classificou-o de "proposta de governo, não de Estado". "Não concordo. Fala-se em privatizar para focar em saúde, educação e segurança. Mas, ao mesmo tempo, vêm dizer que tem que assinar o plano de recuperação fiscal, que impede a ampliação do efetivo policial. Que prioridade é essa?", criticou o candidato. Em sua fala, Jairo Jorge também defendeu a renegociação da dívida com a União e o uso dos recursos da Lei Kandir para ajudar sanar as finanças estaduais.

Em seu discurso, o tucano Eduardo Leite defendeu a discussão sobre o financiamento do funcionalismo público do Estado. "Se 80% do custo é folha de pagamento e encargos sociais, não vamos resolver o problema fiscal do Estado apenas discutindo custeio", disse. O candidato prometeu debater, por exemplo, a folha de pagamento, encargos sociais e as licenças prêmio.

Leite também afirmou ser a favor de privatizar estatais, "com responsabilidade". "Precisamos modernizar a gestão, não só para o que isso significa de alívio fiscal para o Estado, é também na modernização do serviço", disse.

Mateus Bandeira também defendeu as privatizações e criticou indiretamente adversários pela não aprovação do plebiscito para a venda das empresas, em 5 de junho. "Houve uma sabotagem. Mesmo os que defendem o Estado à frente das empresas por convicção não deveriam ter interditado o debate, porque tiraram da sociedade o direito de escolher. Já outros partidos fizeram por puro oportunismo eleitoreiro", criticou. A maioria dos deputados estaduais do PDT e do PSDB votou contra o plebiscito na Assembleia. Bandeira se posicionou a favor do RRF, afirmando que, sem isso, "não haverá solução de curto e médio prazo no Estado".

Os candidatos ao governo gaúcho Miguel Rossetto (PT) e Roberto Robaina (PSOL) não foram chamados ao painel Brasil de Ideias. A revista Voto informou que optou por convidar os candidatos com "maior identidade" com seu público leitor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.