Empresário diz que esquema pagou casa de diretor da empresa

O empresário Fernando da Cunha Magalhães afirmou à CPI do Cachoeira que o depósito de R$ 120 mil da Alberto e Pantoja na conta da Oliveira e Magalhães Materiais de Construção, da qual é um dos sócios-proprietários, serviu para pagar parte de um imóvel que ele vendeu ao ex-diretor da Delta Cláudio Abreu. Segundo a Polícia Federal e a CPI do Cachoeira, a Alberto e Pantoja é uma empresa de fachada criada para servir ao esquema do contraventor.

O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2012 | 03h05

Em ofício enviado à CPI, o empresário Magalhães disse ter vendido um imóvel para Abreu por R$ 200 mil. Anexou documentos de cartório que comprovariam a transação, realizada em abril de 2011. O pedido de informações da comissão havia sido endereçado à mãe do empresário, Aparecida Magalhães, e à empresa. O filho disse que a mãe "jamais manteve qualquer relação e negócio" com Cachoeira e com a Alberto e Pantoja. A PF e a CPI descobriram que a Alberto e Pantoja recebeu mais de R$ 26 milhões nos últimos dois anos da Delta.

A suspeita é que os repasses, com ajuda da empresa de fachada, eram para abastecer campanhas políticas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.