Empresário aponta elo entre ditadura e quebra da Panair

Comissão da Verdade pretende apurar se, nos anos 1960, regime militar contribuiu para a falência da companhia aérea

FÁBIO GRELLET / RIO , O Estado de S.Paulo

25 de março de 2013 | 02h08

Documentos reunidos pelo empresário Rodolfo da Rocha Miranda, filho de Celso da Rocha Miranda (1917-1986), um dos dois donos da companhia aérea Panair do Brasil, indicam que a falência da empresa, decretada em 1965, resultou de perseguição do governo militar (1964-1985). Os alvos eram Celso e seu sócio Mario Wallace Simonsen, ligados a Juscelino Kubitschek, presidente da República de 1956 a 1961 e, posteriormente, opositor da ditadura instalada após o golpe militar que derrubou o presidente constitucional João Goulart - chefe de Estado de 1961 a 1964.

Quando a empresa pediu concordata, o governo instituiu um decreto que impedia empresas aéreas de usarem esse instrumento legal. Foi, então, decretada a falência da Panair. Depois, quando a empresa conseguiu pagar seus credores e, por lei, poderia voltar a operar, o governo criou outro decreto impedindo empresa aérea que houvesse falido de retomar os voos. Relatórios do governo indicam que a Panair não era insolvente e operava sem irregularidades.

Rodolfo obteve os documentos sobre a Panair em 2012, com base na Lei de Acesso à Informação, e os encaminhou à Comissão Nacional da Verdade (CNV), que anteontem promoveu uma audiência pública no Rio de Janeiro para debater o caso. É o primeiro caso de empresa supostamente prejudicada pela ditadura militar a ser discutido pela Comissão da Verdade.

Segundo Rosa Cardoso, integrante da comissão, mesmo se ficar demonstrado o prejuízo causado aos empresários donos da Panair, a investigação não vai gerar responsabilização criminal de ninguém, em razão da Lei de Anistia, de 1979.

Rodolfo, de 63 anos, afirma também que não pretende pedir ressarcimento. "A intenção não é cobrar o prejuízo. Quero apenas que o Estado reconheça que a falência da Panair não foi culpa de seus donos, mas sim uma manobra da ditadura", declarou o empresário.

Empresa. A Panair era a maior companhia aérea brasileira, com 5 mil funcionários, quando teve suas licenças de voo cassadas pelo governo militar, em 10 de fevereiro de 1965, sem nenhum aviso prévio. As rotas foram distribuídas às demais companhias, principalmente à Varig.

Cinco dias depois foi decretada a falência da Panair, sob o argumento de que a empresa estava em grave situação econômica, e isso representaria risco à segurança dos voos. Essa situação nunca foi comprovada.

Mario Wallace Simonsen morreu 37 dias após a decretação da falência. Celso da Rocha Miranda discutiu o caso na Justiça até morrer, em 1986.

A falência foi extinta em 1995, quando a empresa pôde ser reaberta. Hoje ela é dirigida por Rodolfo, mas seus únicos contratados são advogados que ainda discutem judicialmente o caso.

O empresário disse que cogita contar a história da Panair por meio de uma minissérie.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.