Empreiteira deixa mais uma obra, a Ferrovia Oeste-Leste, na Bahia

A construtora Delta, alvo das investigações da CPI do Cachoeira, deixou seu trecho das obras da Ferrovia Oeste-Leste, uma das prioridades do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A obra, que terá 1.022 quilômetros, ligará o Porto de Ilhéus até Barreiras (BA). Futuramente, será estendida até Figueirópolis (TO), onde se interligará à Ferrovia Norte-Sul.

LU AIKO OTTA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2012 | 07h49

O trecho abdicado pela Delta vai de Ilhéus até o Rio Preguiça, informou a Valec, responsável pela obra. O contrato, assinado em novembro de 2010, era de R$ 574,5 milhões, dos quais R$ 31,9 milhões já foram pagos.

O Ministério dos Transportes informou ontem que, até o momento, não foi informado sobre a saída da Delta de outras obras. A empreiteira é a que mais tem contratos no PAC, tendo recebido R$ 830 milhões em 2011, referentes a obras executadas com recursos do Orçamento federal.

Desde que vieram à tona as relações da empresa com o contraventor Carlinhos Cachoeira, ela já saiu de várias obras importantes, como a reforma do Maracanã, orçada em R$ 859 milhões, e a Transcarioca, um corredor de ônibus ligando o aeroporto à Barra da Tijuca, estimado em R$ 1,5 bilhão. Anteontem, a Prefeitura de Fortaleza anunciou que rescindiu, a pedido da empresa, o contrato de R$ 145 milhões para obras da Copa. Os contratos dessas obras somam mais de R$ 2,5 bilhões. Também deixou o consórcio responsável pela obra do Complexo Petroquímico do Rio (Comperj), no valor de R$ 843,5 milhões.

A J&F, que assumiu a construtora no último dia 9, confirma que os contratos do Maracanã e da Transcarioca estão em revisão e que a Delta de fato deixou as obras do Comperj, o que levou à demissão de 800 funcionários.

Flagrada em uma série de irregularidades pela Controladoria-Geral da União, a Delta é alvo de processo administrativo que poderá declará-la inidônea. Nesse caso, ficará proibida de firmar contratos com o governo. Os que estão em andamento poderão ser preservados, a depender de avaliação caso a caso. A empresa informa que pretende honrar os contratos com o governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.