André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Emedebistas, tucanos e petistas ainda vão dominar o Senado

Estimativas apontam que partidos tradicionais devem ficar menores, mas ainda assim manter influência na Casa

Mariana Haubert e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Palco de importantes decisões e inúmeras polêmicas no atual mandato, o Senado Federal pouco vai se renovar nas eleições deste ano, estima o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). São 54 das 81 vagas em disputa, com 32 dos atuais senadores concorrendo à reeleição. No total, 358 candidatos de todo o País tentam um lugar no Senado.

Dos candidatos que tentam manter suas cadeiras, porém, apenas 11 aparecem com vantagem nas pesquisas do Ibope divulgadas nesta szexta-feira, 5, e sábado, 6.

Nomes importantes do MDB, como Romero Jucá (RR) e Edison Lobão (MA), enfrentam dificuldades para se reeleger.

Em relação aos partidos, MDB, PSDB e PT devem eleger menos senadores nesta disputa, mas, ainda assim, continuarão como as maiores bancadas, segundo levantamento feito pela consultoria Arko Advice. O Diap calcula que a Casa terá 16 partidos representados.

Bancadas hoje consideradas como médias devem crescer, como é o caso de PSD, PSB, PDT e Rede. Por outro lado, partidos com poucos representantes estão ameaçados de não eleger ninguém. É o caso de PRB e PCdoB. 

O levantamento ainda aponta que siglas que hoje estão fora do Senado têm grandes chances de ocupar o espaço de outros partidos, como o PSL, do presidenciável Jair Bolsonaro.

Cálculos. De acordo com as mais recentes pesquisas de intenção de voto, o MDB é o partido com o maior número de candidatos competitivos ao Senado. As pesquisas mostram que o partido que tem a maior bancada da Casa pode eleger até 15 senadores hoje. O PSDB pode eleger até 11. Já o PT tem chances de eleger até 10 senadores.

Em seguida, estão o PSB, com 7, o DEM (6), Rede (5), PP (4), PSD (4), PDT (3), PR (3), PSC (3) e PSL (3). O cálculo é baseado nas pesquisas de intenção de voto do Ibope divulgadas sexta e sábado.

Entre os candidatos, há pelo menos 12 ex-senadores, 14 deputados ou ex-deputados, oito governadores, dois ex-prefeitos e uma ex-presidente da República.

Desafios. Independentemente de quem seja eleito presidente da República, a relação com os senadores deverá emular os mesmos desafios apresentados pelos deputados. Apesar de ter uma tradição governista, o Senado poderá ser o fiel da balança na aprovação de medidas consideradas indispensáveis a qualquer governo, como a reforma tributária e a da Previdência.

Para o cientista político, Rafael Cortez, sócio da Tendência Consultoria, o problema principal a ser enfrentado pelo próximo presidente na relação com o Congresso será a formação de um ambiente de confiança em que o Executivo poderá negociar com o Legislativo.

“Há dois problemas de saída, a forma como o próximo presidente vai lidar com o legado desses últimos anos, que resultaram nesta polarização extrema e a agenda que ele irá apresentar ao Congresso porque ela marcará as suas escolhas políticas”, afirmou o cientista político ao Estado.

Cortez acredita ainda que houve um enfraquecimento do poder do presidente nos últimos anos, o que levou a um fortalecimento do Congresso no jogo político. “Há um império do baixo clero. O presidencialismo de coalizão funciona melhor quando o presidente negocia apenas com os líderes, mas hoje ele precisa lidar com vários outros grupos. Essa dinâmica ainda deverá demorar para ser reconstruída”, disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.