Em vídeo, militante pede votos para Bolsonaro ao lado de Doria

Em uma tentativa de conter o movimento 'Bolsodoria', diretório estadual do PSDB abriu processo de expulsão contra dois militantes da sigla que estão fazendo campanha aberta para candidato do PSL

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2018 | 16h12

Em um vídeo que circula pelas redes sociais e está sendo criticado por tucanos, um militante da campanha de Jair Bolsonaro pede voto para o candidato do PSL ao lado do ex-prefeito João Doria (PSDB), que disputa o governo paulista. “Somos Bolsonaro, mas no Estado somos Doria. Galera do Bolsonaro, vamos apoiar Doria no Estado de São Paulo”, disse um militante que se apresenta como Max enquanto caminha ao lado de Doria, que apenas sorri e faz o sinal de sua campanhas com os dedos.

O vídeo, que foi gravado em Franca, no interior do Estado, causou desconforto entre aliados do ex-prefeito e do ex-governador Geraldo Alckmin, presidenciável do PSDB. Procurada, a assessoria de Doria disse que o encontro com o militante de Bolsonaro foi casual e ele apenas foi educado. Ainda segundo a assessoria, dezenas de pessoas se aproximam dele nas agendas todos os dias com os celulares para gravar vídeos e tirar fotos.    

Em uma tentativa de conter o movimento “Bolsodoria”, o diretório estadual do PSDB abriu um “processo ético sumário” de expulsão contra dois militantes da sigla que estão fazendo campanha aberta para Bolsonaro. 

Um deles é Caíque Mafra Barbosa, criador do grupo de Facebook  “Sou tucano, voto Bolsonaro”. O outro é Flávio Beal, que atua na campanha de Doria mas, segundo a assessoria do ex-prefeito, não tem cargo formal. Eles têm cinco dias para apresentar defesa. 

Em sua estratégia de campanha, o discurso de Doria tem se aproximado cada vez mais do capitão reformado. Em evento nesta terça-feira, 2, ele prometeu que a partir de janeiro a polícia vai "atirar para matar". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.