Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Em vídeo de pré-campanha, Meirelles destaca resultados da era Lula sem citar petista

Ex-ministro da Fazenda, nome do MDB ao Planalto, é apontado como responsável por tirar o País duas vezes da crise; Presidente Michel Temer também não aparece na peça

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

23 Maio 2018 | 23h44

O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles divulgou nesta quarta-feira, 23, apenas um dia depois de o presidente Michel Temer ter anunciado que não será candidato, o primeiro vídeo de sua pré-campanha. A peça, veiculada pela internet, tenta associar o pré-candidato do MDB à ideia de otimismo, apresenta o ex-ministro como responsável por tirar o Páis duas vezes da crise e destaca os bons resultados obtidos na economia durante os governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nos quais Meirelles presidiu o Banco Central.

+ Temer escala advogado, marqueteiro e aliado para ajudar Meirelles na campanha

O nome de Lula não é citado. O petista, condenado e preso pela Lava Jato, é chamado como “o presidente da época”, 2002, quando o Plano Real dava sinais de desgaste e os índices de inflação voltavam a preocupar. “E quem você acha que o presidente da época chamou para comandar a economia?” questiona a propaganda. O ministro da Fazenda, na época, era Antonio Palocci, também preso pela Lava Jato.

Entre manchetes que registravam o bom momento econômico nos anos Lula, Meirelles é apresentado como o homem que “ajudou a transformar o País na sexta maior economia do plantea”.

Corta para 2015

“Os personagens mudaram e a realidade do País também”. As manchetes apontam a “maior crise econôimica da história” do Brasil sob o governo da presidente cassada Dilma Rousseff. “Aí, parceiro, quem foi chamado de novo para tirar o País da lama? Ele, o Meirelles”, diz a propaganda. “Como a gente sabe, ele não nasceu para ser pessimista”.

+ Henrique Meirelles é aposta de risco do MDB, aponta cientista político

Temer, responsável por levar Meirelles para o ministério e alvo de forte rejeição popular, também não é citado. O ex-ministro aparece em roupas informais, sorridente, lendo jornal e brincando com um cachorro. “Hoje o trabalho do Meirelles novamente começa a dar resultado”, diz o texto e admite que “ele sabe que ainda há muito para fazer”.

Ao final de três minutos, a peça dirigida pelo marqueteiro Chico Mendez tenta posicionar Meirelles no centro do espectro político. “O que o Brasil precisa agora não é de mais tensão e nem apostas, é de atenção e experiência”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.