Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Em vez de cair, Bolsonaro recupera pontos lentamente e não está fora do segundo turno

Alta rejeição não define a derrota de Bolsonaro desde já, ele não é um adversário fácil nem o Centrão está prestes a abandonar o barco; assim como o trumpismo nos EUA, o bolsonarismo está enraizado no Brasil

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2022 | 03h00

No dia seguinte ao Festival da Ovelha, banhistas de Atlântida, no Rio Grande do Sul, divertiam-se fazendo churrasco na areia da praia. Cena inusual, digna de curiosidade e elogio. Mas o dono de uma das barracas reagiu mal, ao ver que a curiosa era de Brasília: “Sai ‘pra’ lá! Vai comer churrasco com o Lula!”

Isso mostra várias coisas: a politização de tudo, a grosseria de certos bolsonaristas, a força do “mito” no Sul e que, se adversários acham que o presidente Jair Bolsonaro já perdeu, estão enganados. Assim como o trumpismo nos EUA, o bolsonarismo está enraizado no Brasil.

Leia Também

Kassab como ele é

Kassab como ele é

Quem vai ao Rio se depara com a bandeira brasileira em casas, apartamentos e negócios da zona norte, da zona sul, da região dos Lagos, com o uso irritante dos símbolos nacionais na campanha de Bolsonaro, que tem base eleitoral no Estado. E quem tem endereço ou família no Centro-Oeste ou no interior – de Minas, por exemplo –, testemunha com espanto, ou medo, o quanto o bolsonarismo “pegou”.

No maior colégio eleitoral do País, o candidato do presidente ao governo, o ministro Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura), já larga bem, mesmo sem ter nada a ver com São Paulo, e replica o Rio, onde a família Bolsonaro e toda a direita se unem em torno do governador Cláudio Castro, enquanto o centro e a esquerda estão rachados.

Assim, o ex-presidente Lula mantém a liderança nas pesquisas, mas a distância para Bolsonaro vai lentamente diminuindo e o sonho de vencer em primeiro turno vai se dissipando, como a estratégia do centro, que imaginava passar Bolsonaro e disputar o segundo turno com Lula, inclusive com apoio do eleitorado bolsonarista.

Ainda falta muito tempo para as urnas e muita sujeira vai borbulhar na campanha, mas o cenário assusta, pois um quarto do País finge que não sabe, ou, pior, releva o que Bolsonaro fez e disse contra a ciência, o bom senso, a realidade, o ambiente, a cultura, a educação, a política externa… Guerrear contra máscaras, isolamento, vacinas, até de crianças?! É o fim do mundo, mas eleição não é racional, é emoção e dogmatismo. 

Assim, a alta rejeição não define a derrota de Bolsonaro desde já, ele não é um adversário fácil nem o Centrão está prestes a abandonar o barco. Isso é o que milhões gostariam que acontecesse, mas ele tem uma base fanática, marketing, fake news, queda da inflação, dinheiro na veia dos pobres e meios de mostrar força, com PMs fazendo paralisação e civis armados. Desses que reagem a gentilezas atacando estranhos: “Vai comer churrasco com o Lula!”

*COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.