Rodrigo Félix Leal/Assessoria PSD
Rodrigo Félix Leal/Assessoria PSD

Pré-candidatos do Paraná buscam apoio dos principais partidos nas eleições 2018

Ratinho Junior (PSD) e Osmar Dias (PDT) se concentram em reuniões partidárias; Cida Borghetti (PP) tem a maior base

Katna Baran, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2018 | 05h00

CURITIBA -  Em meio ao início das convenções para definir os quadros para as eleições 2018 no Paraná, os principais pré-candidatos ao governo correm atrás de apoio das legendas que ainda não se definiram. A maior parte dos partidos do Estado já escolheu lado, mas, entre os indecisos, estão agremiações importantes, como MDB, PPS e PSDB, que vão garantir boa moeda de troca a quem os “conquistar”, como fundo partidário e tempo de TV e rádio.

Em convenção ocorrida neste sábado, 21, o MBD do Paraná confirmou seu presidente, o senador e ex-governador Roberto Requião, como candidato a reeleição ao Senado e sinalizou que deve coligar com Osmar Dias (PDT) na chapa para o governo. 

Outra legenda cobiçada por Dias é o PRB. O partido já fechou aliança com Ratinho Junior (PSD), com a condição de que possa indicar o ex-presidente da FIEP-PR Edson Campagnolo como vice na sua chapa, o que, segundo líderes do PRB, não deve ser a escolha do pré-candidato. Dias e Ratinho estiveram em Brasília para afagar o presidente nacional da legenda, Marcos Pereira. Mais do que os 12 segundo de tempo de TV, a legenda dominada pela Igreja Universal do Reino de Deus oferece abertura na comunidade evangélica do Estado.

Para ajudar nessa proximidade com os religiosos, Ratinho “roubou” o PHS da base de apoio da governadora e pré-candidata à reeleição, Cida Borghetti (PP). Mesmo assim, até então, ela é quem obtém mais legendas no Estado, com nove partidos na chapa, somando pelo menos 5 minutos de tempo de TV. Grande parcela – quase um minuto e meio –, vem do PSDB, do ex-governador Beto Richa, de quem a pepista era vice. O caminho da legenda, cujo apoio é visto por aliados como perigoso, diante das denúncias de corrupção envolvendo o governo Richa, ainda não está fechado e, segundo o partido, só será definido na convenção, em 4 de agosto.

PPS faz mistério maior no PR

Mistério maior faz o PPS. Na Assembleia Legislativa, deputados da legenda formam base de apoio ao governo Cida, mas dizem que conversam com os três principais pré-candidatos, incluindo Dias e Ratinho. O presidente da legenda no Estado, deputado federal Rubens Bueno, não descarta nenhuma possibilidade e diz que a decisão final só será tomada na convenção.

Já Ratinho tem namorado com o PSL, do pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro e ao Senado pelo Paraná, Delegado Francischini. Apesar de Bolsonaro já ter declarado “simpatia” pela candidatura de Ratinho e Francischini ter feito reuniões no interior do Estado com integrantes do PSD, não está excluída a possibilidade de aliança com Cida. Em troca, apesar de pouco tempo de TV, o partido oferece palanque – mas também a rejeição – com Bolsonaro

Outra briga partidária de Ratinho no Paraná, mas com Osmar Dias, refere-se ao Podemos, do pré-candidato à Presidência Alvaro Dias, irmão de Osmar. Alas do partido já declararam apoio a Ratinho. O presidente estadual da legenda Augustinho Zucchi diz, no entanto, que a palavra final é de Alvaro. O senador, com receio de perder palanques e brigar com o próprio irmão, não se comprometeu com nenhum nome até agora. Além de tempo que TV, que ainda será definido, a aprovação de Alvaro no Estado atrai votos para quem estiver no palanque com ele.Se acertar com PSL e Podemos, Ratinho, que tem sete partidos na chapa, pode empatar com Cida no número de legendas na coligação e até ultrapassá-la na quantidade de tempo de TV.

PT deve ter um minito e meio na TV

O PT, do pré-candidato Dr. Rosinha, deve ter pelo menos um minuto e meio de tempo de TV, se sair sozinho. Porém, o partido, que contava com o apoio do PCdoB, viu a legenda lançar pré-candidato próprio: Dr. Zequinha. O líder do PCdoB no Estado diz, no entanto, que só sairá sozinho “em último caso”, e que está conversando com os petistas, mas também com as demais candidaturas contrárias ao governo atual, de Cida Borghetti. Já o PRTB deve sair com chapa pura com Geonísio Marinho para o governo e Eliceu Palmonari como vice.

Com o nome de Professor Piva ao governo, o PSOL deve ter o apoio do PCB e pelo menos 13 segundos na TV. Já Jorge Bernardi (REDE) possui coligação praticamente certa com PPL e PSDC, o que vai oferecer a ele quase 20 segundos de propaganda eleitoral.

Entre os demais partidos, o Patriota paranaense, cujo presidente é Newton Ishii, conhecido como "Japonês da Federal", diz que ainda não se definiu e o NOVO declarou que acredita ser difícil montar uma coligação no Estado, já que tem como premissa o não uso do fundo partidário. A reportagem não conseguiu contato com líderes do PSTU e PCO no Paraná.

Especial: Os Donos do Congresso

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.