Carl de Souza/AFP
Carl de Souza/AFP

Em SC, Alckmin volta a cumprir agenda de campanha e defende reformas

Tucano faz campanha nas cidade des Criciúma, Içara, Forquilhinha e Florianópolis em Santa Catarina 

Marcone Tavella , O Estado de S.Paulo

08 Setembro 2018 | 23h08

FLORIANÓPOLIS - O candidato do PSDB à presidência da República, Geraldo Alckmin, sinalizou por uma trégua na propaganda agressiva que vinha  desferindo contra o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, esfaqueado em atentado na quinta-feira, 6, em Juiz de Fora (MG). De volta à campanha de rua, o tucano desembarcou em Santa Catarina neste sábado, 8, para cumprir agenda nas cidades de Criciúma, Içara, Forquilhinha e Florianópolis. 

Acompanhando decisão da cúpula de campanha, que se reuniu no dia anterior para promover mudanças nas peças de rádio e TV, Alckmin falou em tom de cautela. "Acho que o Brasil precisa de pacificação. Toda vez que o Brasil fez um esforço conciliatório o Brasil avançou, foi assim na redemocratização, na constituinte e no Plano Real", disse o paulista, em ato na praça Nereu Ramos, no centro de Criciúma.

"Não trabalhamos para um tipo de eleitor, mas estamos levando nossa mensagem para todos os eleitores. Política não se obriga, se conquista com proposta, mostrando o que já fizemos. É isso que vamos fazer", disse.

Reformas

Já em um tom mais propositivo, o candidato disse em Içara que pretende aprovar nos seis primeiros meses as reformas previdenciária, tributária, política e de estado. “Reforma política, menos partidos, voto distrital misto e facultativo. Reforma tributária, simplificar o modelo tributário, os cinco impostos virar um só, o IVA. Reforma previdenciária, para ter um regime geral de previdência, pra não ter um pro setor privado e outro pro setor público e reforma de estado. O governo cabe no PIB. Temos que fazer o esforço de reforma do estado, como nós fizemos em São Paulo”, declarou.

De olho no eleitor catarinense, onde o turismo é peça determinante na economia, o tucano falou em aproximar a cultura com a área para atrair pessoas e impulsionar empregos.

“Hoje, no mundo, de cada cinco empregos um é ligado direta ou indiretamente ao turismo. É importantíssimo. Em nenhum país do mundo tem as condições do Brasil: tamanho, recursos naturais, hospitalidade, costas, praias, interior. Então, nós vamos promover o turismo, vender a marca Brasil, melhorar a infraestrutura e trazer investimento", afirmou Alckmin.

O setor da Pesca foi abordado pelo tucano em entrevista concedida na Festa Nacional da Ostra e da Cultura Açoriana (Fenaostra), no Centro de Florianópolis.

"São 8.500 km de costa, além de água doce. Temos um potencial incrível e podemos multiplicar 40 vezes a produção de peixe no Brasil, de 500 mil toneladas ano para 20 milhões de toneladas. Para isso, precisamos desburocratizar, simplificar mais os licenciamentos", observou.

Neste domingo, Geraldo Alckmin cumpre agenda na cidade de São Paulo, onde participa do debate entre os presidenciáveis do Estadão, em parceria com TV Gazeta, rádio Jovem Pan e Twitter.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.