Em sabatina, Dilma defende alianças com Collor e Sarney

Internauta questiona presidente sobre aliados e petista classifica pergunta como 'enviesada'

TÂNIA MONTEIRO E RAFAEL MORAES MOURA, O Estado de S. Paulo

12 de setembro de 2014 | 13h29

A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta sexta-feira, 12, as alianças que seu governo tem com os senadores do PMDB José Sarney (MA), Fernando Collor (AL), e Renan Calheiros (AL), além do deputado do PP de São Paulo, Paulo Maluf. Em sabatina do jornal O Globo, ela foi questionada por um internauta se tinha orgulho das alianças que possui, citando os nomes dos parlamentares, e se elas eram coerentes com a sua história e de seu partido.

Dilma, em primeiro lugar, classificou a pergunta de "enviesada" e depois de defender o ex-presidente José Sarney, respondeu com subterfúgios em relação aos demais. "As pessoas podem fazer aliança e manter sua posição", justificou Dilma, acrescentando que "não é possível querer que o presidente da República casse e tire direitos políticos das pessoas". "Respeito o ex-presidente Sarney. Respeito bastante. Acho que ele deu uma contribuição para o País", argumentou Dilma.

Sobre o ex-presidente Fernando Collor, Dilma justificou: "a Justiça inocentou o Collor e eu não sou uma instância de condenação do Collor". Em seguida, a presidente disse que "Collor não é uma pessoa absolutamente próxima do governo" e que "ele tem sua posição lá em Alagoas, e eu respeito". A presidente não se refere, no entanto, ao fato de ele integrar a base de apoio do governo no Congresso e ter acompanhado a presidente Dilma em viagens em seu avião presidencial, além das diversas vezes que ela o recebeu no Planalto.

No início do mês, a campanha de Dilma vinculou, no horário eleitoral na TV, a candidatura de Marina aos ex-presidentes Jânio Quadros e Fernando Collor, que não concluíram seus mandatos.

Indagada ainda sobre a relação com o ex-prefeito de SP Paulo Maluf (PP-SP), que recentemente teve o seu registro da candidatura à reeleição a deputado federal negado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP), por causa da Lei da Ficha Limpa, a presidente esquivou-se. "Eu não tenho nenhuma grande proximidade com o deputado Maluf".

Em seguida, Dilma se defendeu dizendo que "não é possível querer que o presidente da República casse, tire direitos políticos e afaste pessoas". E emendou: "isso não é possível. Isso não é papel do presidente da República".

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesDilmasabatinaCollorSarney

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.