REUTERS/Diego Vara
REUTERS/Diego Vara

Em recuperação, Bolsonaro tem alimentação oral suspensa por inchaço no abdome

Novo boletim informa que candidato do PSL, internado em decorrência do atentado a faca, tem situação estável, mas precisou voltar a se alimentar por via endovenosa

Cristian Favaro, O Estado de S.Paulo

12 Setembro 2018 | 11h39

O candidato do PSL à Presidência nas eleições 2018, Jair Bolsonaro, continua internado em uma unidade semi-intensiva, conforme boletim médico divulgado nesta quarta-feira, 12, pelo Hospital Albert Einstein. O boletim informa que a alimentação oral do candidato foi suspensa por causa do surgimento de uma distensão abdominal (inchaço do abdome provocado por ar, consequência da redução do movimento do intestino). Segundo o hospital, entretanto, é algo normal.

O hospital acrescentou que a alimentação voltou a ser endovenosa (na veia) até a próxima avaliação. O texto é assinado pelos médicos Antônio Luiz Macedo, Leandro Echenique e Miguel Cendoroglo. No início da noite de terça, 11, o hospital havia informado que o candidato do PSL saiu da UTI e passou para uma unidade de cuidado semi-intensivo. O parlamentar também tinha voltado a se alimentar de forma leve.

Jair Bolsonaro foi esfaqueado na última quinta-feira, 6, durante evento de campanha em Juiz de Fora (MG). O político está internado hospital Albert Einstein desde a ultima sexta-feira, 7. 

Leia o comunicado do hospital na íntegra:

"O candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, permanece na unidade de cuidados semi- intensivos do Hospital Israelita Albert Einstein, onde foi internado no último dia 7. O estado de saúde do paciente continua estável, sem febre ou outros sinais de infecção.

Devido ao surgimento de uma distensão abdominal, a alimentação oral foi suspensa momentaneamente com retorno da alimentação parenteral (endovenosa) exclusiva até a próxima avalição. 

Os exames laboratoriais permanecem estáveis."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.