Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Em palestra, Mourão diz que é preciso renegociar os juros da dívida do governo

O general Hamilton Mourão participou de evento no Rio Grande do Sul e também defendeu a realização da reforma trabalhista, além de criticar o 13º salário

O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2018 | 19h55

Na mesma palestra que classificou o 13º salário pago aos trabalhadores de 'jabuticaba', o general Hamilton Mourão, vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições 2018, afirmou que o Brasil precisa renegociar os juros da dívida do governo e aproveitou para reforçar a necessidade de uma reforma tributária. As declarações foram feitas na Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul.

"Temos de ter disciplina fiscal, igual temos dentro da casa da gente. O Estado tem de diminuir de tamanho e procurar formas de renegociarmos os juros da dívida pública ao mesmo tempo em que estabelece prioridade nos gastos", afirmou Mourão, apontando as áreas da saúde, educação e segurança pública como os principais destinos destes recursos. 

O general também classificou como "indispensável" a realização de uma reforma tributária e aproveitou para explicar o possível retorno da CPMF em um eventual governo de Jair Bolsonaro, polêmica criada na semana passada pelo economista Paulo Guedes, apontado como ministro da Fazenda na gestão.

"Para que isso ocorra (criação de um imposto federal único), os demais precisam ser baixados. Não é assim, não dá para cortar tudo da noite para o dia. A filosofia é uma só: colocar todo mundo na base do imposto, todo mundo pagando porque tem gente que não paga", disse.

Outra medida defendida por Mourão durante o evento é a implementação "séria" da reforma trabalhista. "Sabemos perfeitamente o custo que o imposto sindical exerce em cima da atividade produtiva."

13º salário

O general Hamilton Mourão também criticou a existência do 13º salário pago aos trabalhadores brasileiros.  "Temos umas jabuticabas que a gente sabe que são uma mochila nas costas de todo empresário", disse. Jabuticabas brasileiras: 13º salário. Como a gente arrecada 12 (meses) e pagamos 13? O Brasil é o único lugar onde a pessoa entra em férias e ganha mais", completou. "São coisas nossas, a legislação que está aí. A visão dita social com o chapéu dos outros e não do governo."

Após a divulgação do vídeo, a campanha de Bolsonaro determinou o cancelamento de todas as agendas públicas de Mourão até o dia da votação do 1º turno das eleições 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.