Em novo 1º turno, Júnior Coelho vence em Benedito Leite (MA)

Cidade a 522 km de São Luiz teve primeira votação cancelada por conta de urnas eletrônicas incendiadas

da redação, com O Estado de S. Paulo,

26 de outubro de 2008 | 19h28

A única cidade do país em que não teve primeiro turno no dia 05 de outubro, finalmente conhece o seu novo prefeito. O comerciante Coelho Júnior (PRB) venceu uma disputa em família contra Penélope Barros (Pené do PMDB) e contra Marcus França do PRTB em Benedito Leite (MA), distante cerca de 700 km da capital, São Luís. A eleição do dia 5 foi anulada em decorrência de atos de violência e vandalismo. A cidade não realiza segundo turno, já que possui menos de 200 mil habitantes.   Veja também:  Blog: acompanhe a cobertura em tempo real Geografia do voto: desempenho dos partidos no País  Cobertura completa das eleições 2008  Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos Acompanhe a apuração em tempo real Tire suas dúvidas sobre as eleições    Em Benedito Leite, Júnior Coelho obteve 1.484 votos (45,02% do total), Penélope Barros teve 1.240 votos (37,62%) e Marcus França do PRTB, obteve 572 votos (16,28% dos votos válidos). Com esse resultado, a família Coelho volta a assumir o controle da cidade após o racha com a família Barros. Coelho Júnior é neto de Lucas Coelho, fundador de Benedito Leite. Penélope Barros é sobrinha de Etelvina Barros, mulher de Lucas Coelho e Marcus França, sobrinho-neto de Etelvina. A família sofreu um racha em 2000, quando o atual prefeito de Benedito Leite, Wálber Barros (PMDB), resolveu romper com os netos de Lucas Coelho.   O prefeito eleito Júnior Coelho afirmou que a cidade passará por uma auditoria para detectar possíveis problemas das duas administrações seguidas de Wálber Barros (PMDB). "Agora, é pensar no futuro. Os moradores de Benedito Leite podem ficar tranqüilos que a cidade terá um novo caminho. O terrorismo acabou", declarou Júnior que partirá para o seu segundo mandato. Ele foi prefeito de Benedito Leite entre 1993 e 1996.   Diante do tumulto do primeiro turno do dia 5 de outubro, que foi suspenso porque as 16 urnas da cidade foram quebradas e incendiadas por eleitores que tiveram seus títulos eleitorais supostamente caçados, a nova tentativa de realização de eleições em Benedito Leite ocorreram em clima de tranqüilidade. 122 homens da Polícia Militar do Maranhão (PMMA) e 240 homens do Exército estavam na cidade para garantir a segurança. Os homens da PM ficarão no município até na próxima quarta-feira. Neste domingo, todos estão de prontidão para acompanhar as festas dos candidatos.   Os dois únicos incidentes ocorridos em Benedito Leite foram a prisão de cinco pessoas e a detenção de uma adolescente de 17 anos sob a acusação de corrupção eleitoral. Entre as pessoas presas, está o irmão do candidato eleito, segundo o delegado da Polícia Federal Cláudio Carvalho. O irmão de Júnior Coelho seria Paulo Humberto Aguiar C. Coelho. A informação foi confirmada pelo o promotor eleitoral Fernando Meneses.   De acordo com a Polícia Federal, o irmão do eleito, com a ajuda de uma adolescente, estavam comprando votos de quatro eleitores na madrugada de domingo, no centro da cidade de Benedito Leite. O irmão do candidato foi preso e a adolescente foi apreendida pela acusação de compra de votos; os quatro eleitores, por venda. Esse tipo de crime de corrupção eleitoral está enquadrado no art. 299, do Código Eleitoral. Esse crime é passível de quatro anos de prisão.   O outro problema em Benedito Leite foi a detenção do coordenador de campanha de Marcus França, que estava distribuindo panfletos inverídicos na cidade. O material, denominado de "Carta Aberta ao Município de Benedito Leite", dizia explicitamente que a cidade deveria votar no candidato Marcus França porque ele teria feito uma aliança com Pené Barros (PMDB) e que somente essa aliança seria o suficiente para derrotar o candidato Júnior Coelho. O próprio Marcus França admitiu a autoria do material.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.