Leonardo Prato/Câmara dos Deputados
Leonardo Prato/Câmara dos Deputados

Em Minas, Jô Moraes (PCdoB) será candidata a vice de Pimentel na disputa pelo governo

Segunda vaga para o Senado na chapa petista será do PSB; aliados esperam definição de Marcio Lacerda

Jonathas Cotrim, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2018 | 11h53

BELO HORIZONTE - O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), que tenta se reeleger, terá a deputada federal Jô Moraes (PCdoB) como vice em sua chapa nas eleições 2018. A convenção do PT, realizada no domingo, 5, não havia confirmado em que cargo Jô seria candidata. Pelo acordo, o PCdoB também terá o direito de indicar um suplente para a ex-presidente cassada Dilma Rousseff, candidata ao Senado.

A definição saiu após uma longa reunião entre a cúpula estadual do PT. Dilma e Pimentel teriam entrado em atrito quando o assunto foi a possível entrada do MDB na coligação petista. O governador mineiro fazia questão de ter o apoio emedebista, mesmo após um rompimento com o partido, em razão da abertura do processo de impeachment contra ele, na Assembleia Legislativa. Já Dilma não queria ter a presença do MDB por causa da ativa atuação do partido no processo de impeachment que culminou com sua destituição da Presidência em 2016.

“Tenho consciência do grau de responsabilidade que isso me impõe, do quanto a minha história - da minha relação com Minas e com a luta da mulher - vai exigir que a resposta que Minas precisa dar para o Brasil seja de confiança e de escuta”, disse Jô, que chegou a se lançar como pré-candidata ao Senado e pleiteava a segunda vaga na coligação petista.

Além do PCdoB, a coligação petista conta com DC e PR. O PSB mineiro vive um impasse, após a direção nacional do partido ter feito acordo com o PT que implica na retirada da candidatura do ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda ao governo de Minas, para apoiar a reeleição de Pimentel. Em troca, os petistas rifaram a candidatura de Marília Arraes (PT) ao governo de Pernambuco e apoiam a tentativa de reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). No entanto, Lacerda se recusa a abandonar a disputa.

Apesar de aliados de Pimentel afirmarem que terão ex-secretário da prefeitura de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, Alexandre Andrade (PSB), na segunda vaga ao Senado, existe expectativa de Marcio Lacerda aceite a vaga para concorrer para senador. Na noite de domingo, o ex-prefeito de BH voltou a recusar a vaga na chapa petista e manteve a candidatura ao governo. 

Uma nova reunião da diretoria nacional do PSB, marcada para esta segunda-feira, deve definir os rumos da legenda em Minas Gerais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.