Em Minas, Dilma diz que pode 'fazer mais e melhor'

Presidente cita slogan adotado em inserções do PT na televisão; Aécio deixou evento antes do discurso da petista

RICARDO BRANDT, ENVIADO ESPECIAL / UBERABA (MG), O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2013 | 02h04

Principal convidada da festa de abertura da 79.ª ExpoZebu, em Uberaba (MG), a presidente Dilma Rousseff, ao discursar ontem no evento, citou o slogan que pretende utilizar rumo à reeleição, de que seu governo pode "fazer mais e melhor".

"Esta é uma diferença do Brasil: nós podemos e estamos fazendo. O que demonstra que é possível continuar fazendo cada vez mais e cada vez de forma melhor", afirmou a petista, ao prometer ampliar "todas as práticas de conservação e de adequação do solo ligadas a um aumento de produtividade".

O slogan foi divulgado pela primeira vez no domingo passado, nas inserções partidárias criadas pelo marqueteiro João Santana. A estratégia de apontar para o futuro é a mesma adotada pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), provável candidato à Presidência. Campos, hoje no campo aliado a Dilma, tem dito que as conquistas do governo são importantes, mas o País precisa avançar.

Aécio. Ontem Dilma dividiu o palanque com outro presidenciável, o senador mineiro Aécio Neves (PSDB). O tucano quebrou o protocolo ontem e deixou o palanque que dividia com Dilma Rousseff, minutos depois do início do evento. Dilma chegou atrasada à abertura da feira agropecuária, uma das maiores do País, marcada para as 10h. Aécio já estava no palanque, ao lado do governador mineiro, Antonio Anastasia (PSDB). O senador e a presidente se cumprimentaram com um abraço e dois beijos e trocaram sorrisos amistosos. Depois, o trio conversou cerca de dois minutos em frente das câmeras.

Após cerca de 15 minutos do início do evento, Aécio surpreendeu. O tucano, que na noite anterior e durante a semana criticou o governo Dilma por causa dos índices de inflação e atacou o PT, levantou-se e saiu.

Segundo sua assessoria, o senador havia marcado compromisso com o pecuarista Mario Franco Júnior, amigo de infância e seu anfitrião. Apesar disso, Dilma não deixou de cumprimentar no início de seu discurso o senador ausente. Por sua vez, Anastasia, que tradicionalmente cita Aécio em suas falas públicas, não mencionou seu nome ao perceber que o antecessor não estava no palco.

O segundo encontro entre Dilma e Aécio ocorreu na tradicional feijoada oferecida por Jonas Barcellos, um dos maiores criadores de gado zebu do País. O pecuarista oferece o almoço em sua fazenda para receber o presidente da República e autoridades que participam da abertura da ExpoZebu.

Na Fazenda Mata Velha, Dilma encontrou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, hospedado no local desde a noite anterior. Aécio, que todo ano vai à feijoada, chegou por volta das 14h50, quando Dilma e Lula já estavam no café. O tucano foi recebido por Barcellos, que estava com a presidente, o ex-presidente e assessores na casa-sede, distante das mesas do evento. No encontro, não se falou em política. Logo em seguida, Dilma e Lula foram embora.

Em 2010, Dilma se encontrou com o então pré-candidato do PSDB José Serra. Barcellos colocou os dois na mesma mesa.

Olho no relógio. Na noite anterior, em jantar oferecido pelo deputado Marcos Montes (PSD-MG) para Anastasia, Aécio chegou por volta das 23h, evitando assim encontrar o ex-prefeito Gilberto Kassab, presidente do PSD. "Nós não temos que, em cada encontro desse, tratar de política e de eleições. O partido do prefeito Kassab deu uma sinalização clara de apoio à presidente Dilma, e nosso campo é outro", disse Aécio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.