Ichiro Guerra/Divulgação
Ichiro Guerra/Divulgação

Em Minas, Dilma diz que FHC 'bateu recorde de desemprego'

Petista critica gestão tucana durante ato de campanha em Uberaba

Gustavo Porto e Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo

22 de outubro de 2014 | 13h01

Uberaba - A presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), retomou os ataques ao governo dos PSDB, do candidato adversário Aécio Neves, e afirmou nesta quarta-feira, 22, em Uberaba (MG), que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) bateu o recorde de desemprego em 2002. "Nós sabemos quem é que no passado desempregou. Sabemos quem é que bateu o recorde de desemprego em 2002: o governo de Fernando Henrique Cardoso", disse ela em um rápido comício após um passeio em carro aberto nas ruas central em Uberaba (MG).

Segundo ela, em 2002, o Brasil superou 11 milhões de desempregados e só perdeu para a Índia naquele ano, com 41 milhões de desempregados. Os ataques foram ainda direcionados ao ex-presidente do Banco Central (BC) Arminio Fraga, "nomeado" ministro da Fazenda por Aécio, caso seja eleito. "Está em jogo o salário mínimo que o candidato dele a ministro da Fazenda acha alto demais", disse a presidente sem nominá-los. As críticas aos governos tucanos e a comparação entre as políticas econômicas adotadas pelo PT e PSDB têm sido a principal estratégia da campanha de Dilma no 2º turno.

A presidente exaltou as políticas sociais do governo federal, repetiu que muito tem de ser feito pelo Brasil e pediu aos cerca de mil presentes que defenda as conquistas. Temos de fazer muito mais pelo Brasil, educação, saúde e segurança. "Temos a única política dos últimos anos de construção de habitação, que é o Minha Casa Minha Vida. Vamos transformar e trazer desenvolvimento para Minas Gerais e vamos à vitória no dia 26", disse. "Esta eleição virou", encerrou ela, no breve comício na praça Zumbi dos Palmares.

A presidente lembrou que a família da mãe dela viveu em Uberaba e fez questão de exaltar suas raízes mineiras durante o evento. Na mesma cidade do Triângulo Mineiro, dez dias antes do primeiro turno, Aécio disse que o Brasil teria o primeiro presidente mineiro desde Juscelino Kubitschek. "Numa eleição a gente tem de voltar às raízes, olhar de onde e de quem nós saímos e eu saí do berço mineiro, saí dessa terra das Gerais", afirmou.

Ainda nesta quarta, a presidente tem prevista agenda de campanha no Rio Janeiro, com uma caminhada com mulheres em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesDilma RousseffFHC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.