Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Em Minas, Aécio critica 'descompromisso' de Lula com democracia

Antes de visitar o túmulo de Tancredo, tucano também afirma que petista cometeu 'atentado' e que pesquisas terão que 'se reciclar'

Elizabeth Lopes e Pedro Venceslau, Enviados especiais de O Estado de S. Paulo

25 de outubro de 2014 | 14h25

SÃO JOÃO DEL REI - Em seu último evento oficial de campanha, neste sábado, 25, o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, voltou a criticar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, criticou os atos de vandalismo contra a sede da Editora Abril, que edita a revista Veja, e também reclamou dos institutos de pesquisas eleitorais.

O tucano classificou como um 'atentado contra a democracia' a reação do petista à reportagem de capa da publicação, divulgada nesta sexta-feira, 24, segundo a qual ele e a candidata Dilma Rousseff (PT) sabiam do esquema de corrupção envolvendo a Petrobrás, de acordo com depoimento do doleiro Alberto Youssef à Justiça Federal. 

"Nós assistimos ontem um atentado contra a democracia e a liberdade de expressão. Essa é uma marca extremamente preocupante dos nossos adversários", afirmou o tucano em entrevista concedida dentro do Solar das Neves, como é conhecida  a residência da família Neves em São João del Rei, no interior de Minas Gerais, onde Tancredo Neves começou sua carreira política.

"Ao tentar proibir a circulação desta revista, há uma demonstração clara do descompromisso do Partido dos Trabalhadores com a democracia. É um atentado que deve receber o repúdio da população", disse o tucano.

Ainda sobre o ex-presidente Lula, Aécio voltou dizer que ele se "apequenou" na campanha. "O ex-presidente Lula se apequenou nesta campanha. Sai muito menor do que entrou. Como sou um homem generoso, vou buscar sempre na minha memória os rasgados elogios que ele fez a mim no nosso convívio."

O tucano creditou as críticas que vem recebendo de Lula, que chegou a chamá-lo de filhinho de papai em um comício, ao "desespero final da campanha". "Perceberam que, pela primeira vez em 12 anos, há uma possibilidade real de derrota" , afirmou Aécio.

O candidato falou sobre os números divergentes das pesquisas de opinião. "Todos os institutos terão que se reciclar. Os erros foram grosseiros no primeiro turno." No final desta semana, os institutos Ibope e Datafolha apontaram Dilma à frente do tucano.

Depois da entrevista, o presidenciável visitou o túmulo de Tancredo Neves ao lado da Igreja de São Francisco, cumprindo uma tradição de todas as eleições.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.