Luidgi Carvalho/Divulgação
Luidgi Carvalho/Divulgação

Saiba quem é Romeu Zema, candidato que saiu de 'nanico' para 2º turno em MG

Representante do partido Novo defende administração pública mais enxuta e venda de patrimônios do Estado; Rodrigo Pacheco (DEM) e Carlos Viana (PHS) ficam com vagas no Senado

Jonathas Cotrim e Leonardo Augusto, especiais para o Estado, O Estado de S. Paulo

07 Outubro 2018 | 20h06
Atualizado 07 Outubro 2018 | 23h59

BELO HORIZONTE - Empresário do Triângulo Mineiro e dono de um patrimônio de R$ 45 milhões, o candidato do Partido Novo, Romeu Zema, começou a disputa ao governo de Minas Gerais, a primeira de sua vida, de maneira discreta. Sem coligação, tempo de TV e recursos do fundo eleitoral, Zema aos poucos foi crescendo nas pesquisas de intenção de votos, especialmente nos últimos dias, quando teve um salto de oito pontos porcentuais, e passou com 42,73% dos votos em primeiro lugar para o segundo turno das eleições mineiras contra o senador Antonio Anastasia (PSDB), que alcançou 29,06%. O atual governador, Fernando Pimentel (PT), ficou de fora da disputa com 23,12%. 

O crescimento do candidato aconteceu após o último debate para o governo, realizado pela Rede Globo. Na ocasião, Zema, em suas considerações finais, pediu votos para os candidatos à Presidência do Novo, João Amôedo, e do PSL, Jair Bolsonaro. Após isso, o empresário saiu de 10% das intenções de voto e passou para 18% na pesquisa Ibope divulgada neste sábado, 6. "Mesmo sem tempo de TV e rádio, subimos na pesquisa e quando tivemos oportunidade de participar de um único debate, Globo, constatamos que o mineiro está indignado com a velha política", disse o candidato.

Com oito segundos de tempo de televisão, a campanha do candidato defendeu uma administração estatal mais enxuta, com cortes de gastos e privilégios. Além disso, o postulante do Novo defendeu a quebra do monopólio de empresas estatais mineiras, como Cemig e Copasa, com a divisão e venda de parte dessas companhias.

"Somos a favor da privatização. Talvez a única que nós não iremos privatizar é a Codemig, pois é uma recebedora de royalties, principalmente do nióbio. As outras empresas, o setor privado saberia fazer uma gestão melhor. A privatização precisa ocorrer em benefício do consumidor", disse.

Venda de patrimônios e fusão no Nordeste

Zema também defendeu a redução no número de municípios e a venda de patrimônios do Estado, como o Palácio das Mangabeiras, residência oficial do governador mineiro. Sua primeira medida, caso seja eleito, será transformar o Palácio das Mangabeiras - residência oficial do governador - em um Museu dos Privilégios. "Eu quero que a população veja como vive um governador de um Estado falido. Seria um ato simbólico, pois mostraria o norte que gostaríamos de seguir, de deixar o governo mais enxuto, menos acima do povo e mais perto dos problemas", disse.

Em sua proposta de redução da máquina pública, Zema causou polêmica ao defender a fusão de Estados no Nordeste do Brasil. "O Brasil virou uma farra no setor público para criar cargos. Acho que deveria haver, não só fusão de Estados, mas também de municípios. Faz parte do processo de enxugamento do Estado no Brasil", defende.

Quem é Romeu Zema

A família de Romeu Zema é proprietária do Grupo Zema, especializado em lojas de departamento e distribuição de combustíveis. Em fevereiro de 2018, o empresário estava entre um grupo de brasileiros que teve a cidadania italiana cancelada, após suspeitas de fraude. O candidato ao governo mineiro alegou que foi um problema no cartório da Itália e que estava recorrendo da decisão.

Ele disse que foi convidado pelo Novo para se candidatar ao governo de Minas em agosto do ano passado. De início, recusou, mas repensou e decidiu aceitar o desafio. "Pensei que seria o momento de contribuir, de alguma forma, na situação que temos enfrentado. Então repensei e decidi encarar esse desafio. Foi um convite que veio em um momento adequado", disse.

Alinhado à filosofia de seu partido, ele defende a candidatura de pessoas de fora da política. "Quem está de fora, está livre dos vícios, que a grande maioria dos que estão lá têm. Na mente deles, as coisas são resolvidas da forma antiga e errada. A política no Brasil precisa ser oxigenada, renovação é sempre bom. Não me considero nem um pouco menos preparado do que os concorrentes, pois tenho uma boa formação, um histórico de realizações na minha empresa". 

Apuração das urnas para o Senado em MG

Com 100% das urnas apuradas, os candidatos Rodrigo Pacheco (DEM) e Carlos Viana (PHS) foram eleitos para o Senado por Minas Gerais, com 20,49% e 20,22% dos votos válidos. Eles terão oito anos de mandato a partir do ano que vem.

Os dois eleitos deixaram para trás o candidato Dinis Pinheiro (Solidariedade), com 18,40%, a presidente cassada Dilma Rousseff (PT), com 15,4% e Rodrigo Paiva (Novo), com 7,80%.

Pacheco é advogado e deputado federal. Tem 41 anos e nasceu em Porto Velho (RO). Foi candidato a prefeito de Belo Horizonte nas eleições de 2016. Terminou a disputa em terceiro lugar.

Já Carlos Viana é de Braúnas. Jornalista, trabalha na Rádio Itatiaia. É formado em Estratégia pelo Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais (CEPEAD/UFMG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.