Gualter Naves/Agência Estado
Gualter Naves/Agência Estado

Em meio a impasse no PSB mineiro, MDB anuncia apoio a Marcio Lacerda ao governo

Coligação poderá contar com seis partidos e ter emedebista Adalclever Lopes como vice

Jonathas Cotrim, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2018 | 11h52

BELO HORIZONTE - Depois de mais de 9 horas de reuniões, o MDB anunciou, na madrugada de segunda-feira, 6, que apoiará a candidatura de Marcio Lacerda (PSB) ao governo de Minas Gerais, mesmo em meio ao impasse no PSB mineiro. A chapa teria o presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes (MDB), como vice, e o deputado Federal Jaime Martins (PROS), como candidato a senador.

“Eu não estou contando com esse cenário (a saída de Lacerda da disputa). Estou contado com a situação jurídica, que permite a candidatura de Marcio Lacerda”, afirmou o presidente interino do MDB em Minas Gerais, deputado federal Saraiva Felipe. 

Para confirmar a coligação, Lacerda precisará resolver a situação com a direção nacional do PSB. Desde o acordo entre pessebistas e o PT, pela neutralidade do PSB na disputa presidencial, a candidatura do ex-prefeito da BH tem sido combatida pelos dirigentes nacionais de seu partido. Lacerda conta com um recurso no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que garantiu a validade da convenção estadual, realizada no sábado, que formalizou a candidatura de Lacerda.

Na noite de domingo, o pré-candidato divulgou nota confirmando que seguirá com a postulação mesmo com a Nacional do PSB tendo invalidado o que foi decidido na convenção estadual. Lacerda afirmou que recusou mais uma vez concorrer ao Senado na coligação do atual governador mineiro, Fernando Pimentel (PT). Uma nova reunião da Executiva Nacional do PSB deve acontecer nesta segunda-feira.

“Estamos muito felizes e confiantes, vamos propor a Minas uma outra alternativa”, afirmou Adalclever Lopes. Saraiva Felipe negou que a negociação foi planejada de forma a favorecer o presidente da Assembleia, caso Lacerda seja impedido de prosseguir com a candidatura.

A coligação formada no domingo conta com seis partidos. Além de MDB, PSB e PROS, PV,  PRB e Podemos apoiarão a chapa. Existe a expectativa de que Daniel Nepomuceno (PV) ocupe a segunda vaga ao Senado.

“Esse apoio agrega muito, na construção dessa terceira via que pretendemos para Minas Gerais”, declarou Marcio Lacerda, por meio de sua assessoria de imprensa. O ex-prefeito disse que a ata da convenção de sábado foi homologada no TRE.

Divisão

Apesar do anúncio feito pelo MDB e pela manutenção da candidatura de Marcio Lacerda, o PSB está dividido em Minas Gerais. Na noite deste domingo, a coligação de Fernando Pimentel (PT) fechou a chapa com Jô Moraes (PCdoB) como vice e o ex-secretário da prefeitura de Uberlândia Alexandre Andrade (PSB) na segunda vaga ao Senado. A ex-presidente cassada Dilma Rousseff (PT) também foi formalizada como candidata a senadora. Uma fonte ouvida pela reportagem afirmou que os petistas ainda mantêm a expectativa de que Marcio Lacerda ocupe a outra vaga ao Senado.  

Confusão

A reunião da comissão provisória que dirige o MDB em Minas foi marcada por um desentendimento que envolveu o deputado federal emedebista Leonardo Quintão. No começo da noite de domingo, a direção interina do partido suspendeu os trabalhos. No entanto, Quintão afirmou que diversas reuniões paralelas estariam acontecendo e que a sigla já havia assinado uma ata em que propunha uma coligação com o PT.

“Ou se respeita a ata ou volta aqui e se discute democraticamente", disse. Após se irritar e prometer acionar a polícia, Quintão retornou para a sede emedebista, quando a reunião da comissão provisória foi reiniciada. No entanto, o deputado federal deixou o local antes do anúncio oficial e disse que “foi voto vencido”. Saraiva Felipe negou que a ata tivesse sido assinada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.