Reprodução
Reprodução

Em jogo na internet, avatar de Bolsonaro espanca mulheres, negros e militantes de esquerda

Game, que custa R$ 8,91, promete 'derrotar os males do comunismo num jogo politicamente incorreto'

Luiz Raatz e Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2018 | 13h22
Atualizado 09 Outubro 2018 | 16h15

Dois dias antes do primeiro turno das eleições 2018, a desenvolvedora de games BS Studio lançou o jogo Bolsomito 2k18 na plataforma Steam. No game, que custa R$ 8,91, o jogador com o avatar do candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, pode espancar feministas, gays, negros e militantes de esquerda.  

"Derrote os males do comunismo nesse game politicamente incorreto, e seja o herói que vai livrar uma nação da miséria", diz a descrição do jogo. "Esteja preparado para enfrentar os mais diferentes tipos de inimigos que pretendem instaurar uma ditadura ideológica criminosa no País. Muita porrada e boas risadas."

O game tem o formato 2D é no formato pixel-art, que segue o estilo Beat 'em up (briga de rua). Segundo a desenvolvedora, o jogo "é inspirado no atual momento político brasileiro e tem como protagonista um cidadão de bem que está cansado da crescente corrupção e inversão de valores que abala a sociedade".

"Seu objetivo principal é acabar com os líderes do temido exército vermelho, responsável por alienar e doutrinar grande parte da nação, para que defendam e lutem por suas causas terríveis", continua a descrição. "No entanto, para chegar nos cabeças da organização, o Bolsomito deverá enfrentar diferentes grupos que tinham como missão defender o povo, mas hoje, nada mais são que marionetes do exército vermelho."

Na plataforma Steam, a BS Studio tem apenas mais um jogo disponível, um game lançado em abril chamado "Plataform Challenge". A página da empresa no Facebook foi desativada. 

O jogo foi avaliado positivamente em 88% dos usuários. "O Bolsonaro está tirando muita pouca energia dos adversários! Coloca umas magias do Dragon Ball ou Street Fighter que eu acho que resolve ou até mesmo uma fuzil, pistola, bazuca... menos faca", comentou um usuário do jogo. 

Questionada se havia alguma irregularidade no jogo, a assessoria de imprensa do TSE informou que  a Corte não comenta fatos que podem eventualmente vir a ser objeto de análise em sua jurisdição.

Avaliação

Na opinião do criminalista Rafael Ariza, especialista em crimes de internet e fake news da Daniel Gerber Advocacia Penal, "o lançamento do game, às vésperas do primeiro turno das eleições, pode ser considerado indício de dolo da empresa desenvolvedora de, mais do que a comercialização do produto, atingir a honra de um dos candidatos à Presidência da República". "Nesta perspectiva, a conduta estaria a configurar, pelo menos em tese, o crime de injúria e mereceria atuação Estatal com instauração do procedimento investigatório competente", explica Ariza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.