Roberto Stuckert Filho
Roberto Stuckert Filho

Em evento, Dilma chama Bolsonaro de 'coiso' e Temer de 'usurpador'

Candidata ao Senado por Minas Gerais nas eleições 2018, presidente cassada participou de ato com lideranças de movimento negro

Jonathas Cotrim , O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2018 | 00h34

BELO HORIZONTE - Candidata ao Senado pelo PT de Minas Gerais nas eleições 2018, a presidente cassada Dilma Rousseff, chamou nesta segunda-feira, 24, o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, de “coiso” e o presidente Michel Temer de "usurpador". As afirmações foram feitas durante um evento em Belo Horizonte com lideranças de movimentos negros e a ex-presidente fez diversas críticas ao deputado federal. 

“Acho que é o momento mais delicado da vida política do Brasil. O 'coiso' é a barbárie, 'o coiso' é negar todos os direitos que nós conquistamos nas últimas décadas”, disse Dilma no ato “Por uma Minas Gerais sem Racismo”, que teve a participação de cerca de 100 pessoas.

Dilma ainda voltaria a chamar Bolsonaro de “coiso”, após uma crítica ao governo de Michel Temer - chamado pela petista de “usurpador” -, que afirmou nesta segunda-feira que pretende voltar a tentar colocar a Reforma da Previdência em votação no Congresso. "Ontem, numa entrevista, o presidente usurpador disse que vai apresentar a Reforma da Previdência novamente. Como se ele tivesse o menor espaço para fazer isso, a não ser que o coiso seja eleito."

A plateia então reagiu com gritos de “Ele não” e Dilma completou: “Grande manifestação de consciência de vocês”. Apesar disso, Dilma se recusou a tirar uma foto com um cartaz da campanha “Ele Não” com uma imagem do candidato do PSL que recebeu de uma eleitora que acompanhava o evento. 

As críticas da candidata ao Senado atingiram também movimentos que ganharam repercussão durante o processo de impeachment, em 2016, chamados pela petista de “extrema direita”, como o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem pra Rua. “Você cria um mundo de espetáculo em que é muito mais importante você ver um salvador da pátria, que salva a pátria destilando ódio, do que construindo uma sociedade de respeito”, afirmou. 

Pedindo votos para o candidato petista à Presidência nas eleições 2018, Fernando Haddad, e para o postulante ao governo de Minas Gerais, Fernando Pimentel, que tenta a reeleição, Dilma afirmou ser importante que a militância faça campanha no “corpo a corpo”. “Influenciando aqueles que são próximos a nós. Não no sentido nocivo da palavra, mas é persuadir, é discutir, esclarecer e debater”, disse.  

No evento, Dilma acompanhou a filiação de sua ex-ministra Nilma Lino Santos ao PT de Minas Gerais. Nilma comandou o  Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos entre janeiro e outubro de 2015. 

Igualdade

Durante o ato, Dilma lembrou de alguns projetos que visavam ampliar as políticas de inclusão social, aprovados por ela e pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, como a manutenção da política de cotas no ingresso das universidades federais. “Ou nós encaramos a questão da desigualdade social como uma questão racial, ou não encaramos de fato a questão social”, disse. 

Após pedir votos para a coligação petista, Dilma afirmou a necessidade de se manter a democracia para voltar a haver avanços nas igualdades racial, social e de gênero. “Sem a democracia não vamos avançar em nenhum processo de inclusão social”

Além de falar sobre questões raciais e de igualdade, Dilma dedicou boa parte de seu discurso para tratar da violência contra mulheres. “Não é só o jovem negro, a mulher negra também é objeto, porque ela não é sujeito para a sociedade e para as classes ricas”, declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.