Sérgio castro|Estadão
Sérgio castro|Estadão

Em dia de julgamento do impeachment no Senado, Marta pede votos em SP

A candidata e senadora disse que sua presença neste momento do processo 'não é imprescindível' e garantiu que estará em Brasília na próxima segunda-feira, 29, quando Dilma apresentará sua defesa

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2016 | 15h42

Enquanto o Senado iniciava o processo de julgamento final do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, em Brasília, a senadora Marta Suplicy, candidata do PMDB à Prefeitura de São Paulo, pedia votos na capital paulista na manhã desta quinta-feira, 25, a pouco mais de 1000 quilômetros do Congresso Nacional. Após percorrer as ruas do bairro do Brás, Marta, que não se licenciou do mandato para fazer campanha, disse que sua presença no Senado neste momento do processo “não é imprescindível” e garantiu que estará em Brasília na manhã da próxima segunda-feira, 29, quando Dilma apresentará sua defesa.

“Hoje e amanhã temos acusação e defesa. Fiz parte da comissão de admissibilidade do impeachment, então, acompanhei a acusação e defesa por semanas a fio. Sei de cor todos os argumentos. Então, hoje, não é imprescindível minha presença”, disse. No momento da abertura da sessão no Senado, às 9h, apenas 28 dos 81 senadores marcaram presença. Marta disse que estará no Senado na manhã da próxima segunda-feira “para ouvir o discurso da presidente e votar o impeachment.”

Questionada na semana passada se iria acompanhar o processo do impeachment, Marta disse que a prioridade dela neste momento era a campanha e a votação do impeachment. “Eu vou mas não sei quanto tempo vou ficar. Minha prioridade neste momento é a campanha e a votação do impeachment. Se é para acompanhar todo o processo, não sei. Não sei se vou ficar quatro ou cinco dias”, disse ela na sexta-feira, 19, após participar de um almoço no Secovi.

Na ocasião, Marta afirmou que não sabia se iria acompanhar o discurso de Dilma no Senado porque não era sua prioridade. “Não é minha prioridade, é a dela, neste momento, estar preocupada com o que ela vai dizer à nação. Não é minha preocupação ouvi-la”, disse.

Nesta quinta, Marta circulou pelas ruas do Brás, tradicional bairro de comércio popular de roupas, acompanhada de assessores e candidatos a vereador. Percorreu lojas da região e em uma delas, escolheu uma peça de roupa para levar. A candidata negou receber de presente da lojista a blusa, que foi paga por um militante do PSD jovem.

Ao comentar suas propostas para a região, a peemdebista disse que pretende implantar o Banco do Povo para oferecer crédito fácil e com juros baixos para pequenos empreendedores. “É uma ideia que iniciou comigo, chamada São Paulo Confia, que foi desidratando nas gestões seguintes. Vamos recuperar com mais recursos para que permita financiar aquelas pessoas que querem fazer algum empreendimento ou ampliar seu empreendimento”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.