Divulgação
Divulgação

Em desvantagem na corrida eleitoral em Florianópolis, candidata promete abrir mão de salário

Proposta de Angela Amin (PP-SC) é investir montante no programa Prêmio Mérito Estudantil, que pretende fomentar o empreendedorismo e estimular as vocações profissionais entre os jovens por meio de bolsas de estudo

Marcone Tavella, Especial para O Estado

17 de outubro de 2016 | 15h02

FLORIANÓPOLIS - Atrás nas pesquisas de intenção de voto e com a imagem arranhada após ter tido os direitos políticos suspensos por sete dias pelo STJ, a candidata à prefeitura de Florianópolis, Angela Amin (PP), foi para o tudo ou nada na disputa do segundo turno com Gean Loureiro (PMDB). 

Nesta segunda-feira, 17, ela anunciou que vai doar todo o seu salário para a criação do Prêmio Mérito Estudantil, que pretende fomentar o empreendedorismo e estimular as vocações profissionais entre os jovens por meio de bolsas de estudos. Por ano, os rendimentos do executivo municipal somariam cerca de R$ 315 mil.

A proposta de Angela é investir este montante no programa, que, segundo a candidata, pretende focar em alunos do último ano do ensino fundamental da rede municipal, que só poderão concorrer se tiverem média igual ou superior a 7. Serão nove bolsas de estudos para acompanhar os vencedores durante os três anos do ensino médio, que terão direito a dois salários mínimos por mês. A ideia é promover um concurso de trabalhos escolares dentro das três áreas de vocação da cidade: Turismo, Gastronomia e Tecnologia.

"Buscamos uma maneira criativa para estimular vocações e contribuir para desenvolver a cultura do empreendedorismo em nossa cidade", disse a candidata.

O candidato do PMDB, que não quis se manifestar sobre a promessa da oponente, tem larga vantagem das intenções de voto na capital catarinense, segundo a última pesquisa Ibope. Nos votos válidos, o resultado é de Gean 67 % e Amin 33 %. Na semana passada, a estratégia dos dois candidatos foi o ataque mútuo nos programas de TV. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.