Em debate morno, Marta tenta virar eleição com ataques

Petista associa imagem do prefeito à de Celso Pitta e Kassab diz que Marta 'não se afastou da turma do mensalão'

Gisele Silva e Giuliana Vallone, do estadao.com.br,

25 de outubro de 2008 | 00h13

No último debate dos candidatos à Prefeitura de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM) e Marta Suplicy (PT) trocaram acusações e poucas vezes responderam de forma clara e direta às questões que foram feitas. No início, Marta criticou a falta de medidas para o transporte na cidade, ironizou as declarações de Kassab sobre o dinheiro investido em vagas de creches e voltou a relacionar o candidato com o ex-prefeito Celso Pitta. Do outro lado, Kassab, que adotou uma postura mais combativa a partir do terceiro bloco, disse que a campanha de Marta é composta por uma "quadrilha" e reiterou a promessa de que não fará pedágios urbanos.                                                                                                                      Clayton de Souza/AE   Veja também: Blog da Eleição: as principais declarações do debate  Gabriel Manzano, de O Estado de S. Paulo, comenta o debate  Galeria de fotos  Para analistas, 'salto alto e deslize' explicam rejeição de Marta Analista político comenta o resultado da pesquisa Ibope  Marta cai e Kassab amplia 17 pontos de vantagem sobre petista Especial: Perfil dos candidatos em São Paulo  'Eu prometo' traz as promessas dos candidatos  Geografia do voto: Desempenho dos partidos nas cidades brasileiras  Confira o resultado eleitoral nas capitais do País   As promessas foram inúmeras. A petista afirmou que, se eleita, dará "um salto enorme na saúde". "Você, com R$ 10 bilhões a mais por ano, não deu. Eu ando na rua e a única coisa que eu escuto é reclamação", criticou. Ela disse que a saúde é uma das áreas de pior avaliação da gestão do atual prefeito "apesar do que diz a pesquisa que você mostra".   A ex-prefeita afirmou que vai trabalhar na saúde por três portas: as AMAs - que foram criadas por Kassab e que, segundo ela, "acolhem mas não resolvem" -, as UBS e o programa Saúde da Família. Marta prometeu ainda a informatização de todo o sistema de saúde da cidade e uma policlínica por cada subprefeitura da cidade.   Já Kassab, entre outras promessas, disse que investirá R$ 1 bilhão no Metrô e já destinou metade desse valor. "A frustração da candidata é que eu estou fazendo e ela não fez. Eu coloquei dinheiro no Metrô. Estou fazendo corredor como deve ser feito. Recuperamos a CET. Tenho humildade para reconhecer os desafios que não foram superados. Ainda bem que a ex-prefeita reconhece que ampliamos o Bilhete Único. Sou o prefeito e estou fazendo."   Prefeitura e dívidas   Um dos pontos de confronto entre os candidatos foi a situação herdada por eles ao assumirem a Prefeitura da cidade. A petista afirmou que Kassab recebeu uma administração com as contas em dia e, por isso, seu trabalho foi beneficiado. Ela afirmou, porém, que recebeu a cidade quebrada da administração Celso Pitta, da qual Kassab era secretário do Planejamento. E Kassab respondeu: "Nós encontramos duas vezes quebrada".   O atual prefeito afirmou que as contas estão em dia e voltou a atacar a Marta com a criação de taxas: "Seu governo criava taxas e mais taxas. Para que tanta taxa, Marta? Era taxa demais, até pediu desculpas".   "Não adianta você se furtar das dividas que deixou na cidade. As próximas gerações terão de pagar os 13%. Eu recebi a cidade acabada, quem tem memória lembra dos escândalos do precatório, dos títulos emitidos e dinheiro que desapareceu", afirmou Marta. Sobre as taxas, a petista rebateu dizendo que Kassab aumentou o número de pessoas que paga IPTU e o imposto ficou mais caro. Também condenou o pagamento de ISS por profissionais autônomos.   No fim, ele retomou a história do mensalão. "Ela investiu mal. Não acabou com escolas de lata. Vem com a história de Pitta e não se afastou da turma do mensalão", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.