Em convenção, Serra ataca gestão do PT em SP, e PSDB pede chapa pura

Eleição paulistana. Com um discurso crítico ao governo da petista Marta Suplicy, ex-governador foi lançado ontem candidato à Prefeitura; tucanos agora pressionam também pelo cargo de vice na chapa, tirando a indicação do PSD do prefeito Gilberto Kassab

BRUNO BOGHOSSIAN E JULIA DUAILIBI, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2012 | 03h06

O ex-governador José Serra foi lançado ontem candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo em meio a uma pressão de seu partido para que a indicação do cargo de vice-prefeito fique com os próprios tucanos, e não com o PSD, partido do prefeito Gilberto Kassab.

Em discurso em um ginásio da capital, Serra defendeu a gestão Kassab, destacou a parceria com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e atacou o governo do PT de Marta Suplicy (2001-2004), a quem sucedeu na prefeitura. Durante sua fala, foi interrompido por gritos de filiados do PSDB: "Eu quero a vice".

Após ceder espaço ao PSD na chapa dos vereadores, os tucanos querem agora diminuir a influência do prefeito, tirando dele a indicação do vice. Apesar de próximo a Serra, Kassab enfrenta resistência de quadros do PSDB ligados a Alckmin, derrotado por ele na eleição de 2008.

Kassab quer emplacar Alexandre Schneider (PSD), ex-secretário municipal de Educação. A indicação, porém, passou a ser bombardeada por tucanos já que Kassab ainda não conseguiu que a Justiça conceda a sua sigla mais tempo de propaganda eleitoral - como foi criada em 2011, a legenda tem participação marginal na distribuição do tempo de TV.

Como o prazo para a definição da vice termina esta semana, os tucanos passaram a insuflar duas candidaturas: a do ex-secretário de Cultura Andrea Matarazzo, próximo a Serra, mas que conta com a resistência de Kassab; e a do coordenador da campanha, Edson Aparecido, defendida por secretários de Alckmin.

O DEM corre por fora com o deputado Rodrigo Garcia. Eduardo Jorge (PV), ex-secretário municipal de Meio Ambiente, fora cotado, mas perdeu força desde que seu nome apareceu em escândalo sobre liberação de imóveis na cidade. "Defendo que o vice seja do PSDB. Já cedemos espaço ao PSD", disse o vereador tucano Floriano Pesaro. Serra não abordou o tema. Apenas informou que decidirá até o dia 30.

Defesa. Serra defendeu o governo Kassab, cuja gestão tem aprovação de menos de 30% dos eleitores. "Temos um desafio enorme pela frente. Mostrar à população o que fizemos", disse o candidato, que afirmou ter "orgulho" do prefeito, que foi seu vice.

O ex-governador enumerou ações feitas por ele e por Kassab, como os investimentos em saúde e as vitrines sociais da gestão tucano-kassabista. "Nossa cidade avançou, bastante, mas precisa ir mais longe. Há mais coisas a fazer do que já fizemos. O futuro nos aguarda", declarou.

O candidato também falou das parcerias com Alckmin, considerado o melhor "cabo eleitoral" entre os tucanos, segundo as pesquisas de intenção de voto. "A viabilidade delas depende essencialmente de uma grande parceria com o governo do Estado, que vem se fortalecendo desde que assumi a Prefeitura em 2005 e vai continuar se aprofundando", disse Serra, para quem é "impossível" haver entrosamento melhor que o dele com Alckmin.

Serra disputa a Prefeitura pela quarta vez. Elegeu-se em 2004, mas renunciou um ano e três meses depois para disputar o governo do Estado. Cotado para concorrer à Presidência em 2014, não falou sobre cumprir os quatro anos de mandato. "O meu sonho é voltar a ser prefeito da cidade que amo", afirmou. Emocionado e sem citar o futuro, disse que pretende continuar se preparando para servir ao País, "esteja na trincheira em que estiver".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.