Em cinco cidades catarinenses candidatos à prefeitura não têm rivais

Caibi, Cordilheira Alta, Planalto Alegre, Salto Veloso e Tigrinhos fazem parte das 97 cidades brasileiras com apenas um nome na disputa

Aline Torres, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2016 | 18h20

FLORIANÓPOLIS - Em cinco cidades catarinenses os candidatos à prefeitura não têm rivais. Eles concorrem consigo. Únicos a disputar a chefia do Executivo, basta um voto para que assumam o cargo. Os municípios sem disputa nas urnas ficam na região Oeste do Estado e têm menos de sete mil habitantes cada. Justamente por isso, estão enquadrados em uma controversa norma da legislação eleitoral. Em cidades com menos de 200 mil eleitores valem os votos válidos. Na prática, se o candidato votar em si está eleito.

Caibi, Cordilheira Alta, Planalto Alegre, Salto Veloso e Tigrinhos fazem parte das 97 cidades brasileiras com apenas um candidato a prefeito.

Essa será a terceira eleição municipal de chapa única em Caibi, cidade com 6.199 habitantes na região oeste do Estado. O atual candidato Elói José Líbano (PMDB) foi vice na gestão atual de Dilair Menin (PT), em 2012.

Mesmo sem concorrência, Elói não abre mão da campanha, que deve custar em torno de R$15 mil. “Nós imprimimos nosso plano de governo para as 2 mil famílias. Independente de ser candidato único tenho compromissos com a comunidade”, disse.

Elói também faz visitas diárias às áreas rurais do município e criou uma rádio amadora na própria casa, onde transmite as promessas do futuro mandato. 

A ausência de candidatos não significa que os eleitores estejam satisfeitos com a atual gestão. “Há anos não tem eleição de verdade em Caibi. É tudo combinado. Um ano vem um do PT, no outro do PMDB”, diz a vendedora Tatiana Valandro.

O revezamento no poder também é realidade em Cordilheira Alta. O atual prefeito Alceu Mazzioni (PMDB) desistiu da reeleição após fechar um acordo com Carlos Alberto Tozzo, o Picasso (PMDB), licenciado do cargo de vereador e da presidência da Câmara. Segundo o TRE/SC esses acordos não são ilegais, mas impedem o debate adequado sobre os problemas da cidade, já que ao invés de críticas construtivas as coligações apenas propagam os méritos dos seus governos.

Em Planalto Alegre, município de 2.823 habitantes, houve acordo parecido. O prefeito Plínio Dallacorte (PMDB) desistiu da reeleição para fortalecer a aliança com o PSD, partido do atual candidato, Juares Best.

Já o prefeito de Salto Veloso, Claudemir Cesca (PR) propôs uma parceria inusitada. A coligação de todos os partidos da cidade em uma única chapa. A aceitação gerou a candidatura de Ana Rosa Zanela (PMDB), ex-vereadora, ex-vice-prefeita, apoiada por dez partidos distintos nessa eleição.

Com menor número de habitantes, 1.707 pessoas, Tigrinhos terá como candidato o presidente do Diretório do PMDB, Derli Antônio de Oliveira, o Dicão. Ele justifica que é candidato único porque nenhuma outra pessoa se interessou pelo posto. A cidade é basicamente agrária e sobrevive das plantações de fumo, feijão, milho e soja.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.