Reprodução/PSDB-MG
Reprodução/PSDB-MG

Em cenário polarizado, Anastasia parte para o ataque direto a Pimentel na disputa em Minas

A três semanas da eleição, campanha do tucano planeja veicular clipe de rap confrontando o petista, que já vinha atacando o rival

Jonathas Cotrim , O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2018 | 20h15

BELO HORIZONTE - Diante da polarização confirmada pelas mais recentes pesquisas de intenção de voto ao governo de Minas, entre o atual governador e candidato à reeleição, Fernando Pimentel (PT), e o senador Antonio Anastasia (PSDB), o postulante tucano ao Palácio da Liberdade, que vinha adotando uma estratégia mais propositiva na campanha, intensificará os ataques contra o rival nas três semanas até as eleições 2018.

Na última pesquisa Ibope, divulgada no dia 12, Anastasia liderava a disputa com 31%, enquanto Pimentel se confirmou na segunda colocação, com 22%. Ambos os candidatos tiveram crescimentos semelhantes em relação à pesquisa anterior, divulgada em 29 de agosto: o tucano cresceu 7 pontos porcentuais, o petista, 8. 

Nos próximos dias, a campanha de Anastasia planeja veicular um vídeo em que um rapper faz diversas críticas à gestão de Pimentel, principalmente aos constantes atrasos nos salários do servidores estaduais durante a gestão petista.  

"Enquanto isso, o 'bacana' tá lá em cima/ Depois de quatro anos, sempre todo enrolado / Voando de helicóptero, tira onda de patrão / Acorda aí 'bacana', que patrão tu não é não/ Na moral, tu que é nosso empregado / Tinha mais é que dar conta do recado", diz o jingle do tucano. 

O rap de Anastasia também tenta tirar votos também do candidato do partido Novo, Romeu Zema, que cresceu 4 pontos porcentuais na última pesquisa Ibope e apareceu em terceiro lugar. "Nessa hora é que aparece neguinho por todo lado / Dizendo 'eu sou o novo, vota em mim tô do seu lado'."

Fernando Pimentel, já vinha focando sua estratégia nos ataques ao rival tucano, falando das "mentiras de Anastasia". Além disso, a campanha do petista tenta aproximar a imagem do candidato tucano a Aécio Neves (PSDB), que é réu no Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção passiva e obstrução de justiça, e disputa uma cadeira na Câmara dos Deputados nas eleições 2018. 

Na sexta-feira, 14, o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) ordenou que uma peça publicitária de Pimentel que associava Anastasia a Aécio fosse retirada do ar. A corte considerou que não existia protagonismo do candidato petista na propaganda - o que, na interpretação do tribunal, contraria a legislação eleitoral. Na peça, eleitores eram convidados a responder "a primeira coisa que vem à cabeça" quando pensam em uma série de palavras, entre elas, "Anastasia". E respondiam: "Aécio Neves". 

De acordo com um coordenador da campanha de Pimentel, os ataques contra Anastasia fazem parte de uma estratégia de contextualizar o eleitor sobre as condições em que o atual governador, que sucedeu ao tucano, encontrou para administrar o Estado. Apesar da derrota no TRE-MG, a ofensiva petista deve manter o mesmo ritmo, com novas tentativas de colar a imagem de Anastasia à de Aécio. 

Para a reta final de campanha, o Pimentel deverá fazer um esforço para mostrar realizações de sua gestão, após ter assumido, em entrevistas à imprensa, que deveria ter divulgado mais o seu trabalho durante o mandato. Além disso, o petista intensificará a agenda de rua, com visitas a setores estratégicos do Estado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.