Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Em Caruaru, Alckmin diz que infraestrutura, água e segurança pública serão prioridades

Tucano visita pela primeira vez o agreste de Pernambuco em busca de deslanchar nas pesquisas

Kleber Nunes, enviado especial, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2018 | 19h49

CARUARU (PE) - Pré-candidato à Presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou nesta sexta-feira, 22, que infraestrutura, acesso à água e segurança pública serão assuntos prioritários para o Nordeste. O tucano visita pela primeira  vez Caruaru, no agreste de Pernambuco, como postulante ao Planalto.

"Vim ouvir os problemas, (entre eles) o término da Transnordestina, é uma obra estratégica para chegar ao Porto de Suape o escoamento da produção agrícola desde o Piauí e promover o desenvolvimento. Na questão da água, nós ajudamos na Transposição do São Francisco e terá aqui o Ramal do Agreste vindo para Caruaru, é uma questão muito importante. Já a segurança é o desafio do Brasil inteiro", declarou.

O ex-governador estava acompanhado da mulher, Lu Alckmin. O casal foi recebido pela prefeita da cidade, Raquel Lyra (PSDB), que fará parte da equipe de campanha na área de segurança pública, e pelo pai dela, o ex-governador de Pernambuco João Lyra Neto. Também está na comitiva o deputado federal e presidente do PSDB no Estado, Bruno Araújo.

++ Fachin arquiva pedido de liberdade de Lula que STF julgaria nesta terça

Após desembarcar no aeroporto de Caruaru, Alckmin visitou o Monte Bom Jesus, ponto mais alto da cidade, a 630 metros de altitude, onde rezou na capela, conversou com moradores, turistas e comerciantes e comeu tapioca.

O pré-candidato jantará com outras lideranças locais e depois visitará a antiga estação ferroviária e o Pátio de Eventos Luiz Gonzaga, polos da festa junina do município, onde haverá shows de forró e música sertaneja. A visita marca uma das tentativas de Alckmin deslanchar nas pesquisas. No último levantamento Datafolha, o ex-governador aparece com 7% das intenções de votos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.