Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Em carreata no Rio, Dilma afirma que tucanos se 'ajoelharam' diante do FMI

Presidente mantém estratégia de comparar governos do PT e do PSDB e pede para o eleitor dizer 'não ao retrocesso'

Mariana Sallowicz , O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2014 | 11h20

Rio - A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, repetiu as críticas ao "modelo tucano" de governo durante carreata em Nova Iguaçu, no bairro Cabuçu, Rio de Janeiro. "[A eleição neste domingo] vai colocar de um lado aqueles que defendem emprego e salário e do outro aqueles que desempregaram, se ajoelharam diante do Fundo Monetário Internacional (FMI) e quebraram o Brasil três vezes", afirmou.


O discurso foi feito para cerca de 300 pessoas que acompanham carreata. Também participam do evento o candidato ao governo do Rio, Marcelo Crivella (PRB) e os candidatos derrotados no primeiro turno Anthony Garotinho (PR) e Lindberg Farias (PT). O petista foi prefeito de Nova Iguaçu de 2005 a 2010.

Em discurso antes da carreata, Dilma pediu que se diga não "ao retrocesso, à perda de direito". "Nós não somos aqueles que só pensam nos banqueiros e nos juros. Queremos fazer cada vez mais, melhorar a vida de cada família."

A candidata disse ainda saber que "vocês melhoraram nos últimos 12 anos e sei que são responsáveis por isso. Mas sei que ninguém é uma ilha e as pessoas precisam de oportunidades. O meu governo deu oportunidades". A petista citou como exemplos programas de seu governo, como Prouni e Pronatec, na área da educação.

Na última semana antes das eleições, a presidente vai concentrar as agendas de campanha na região Sudeste. Ainda nesta segunda a petista deve participar de outra carreata, em Padre Miguel, no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.