JF DIORIO/ESTADÃO
JF DIORIO/ESTADÃO

Em artigo, FHC diz que Brasil tem 'condições revolucionárias'

Ex-presidente afirma que crise econômica e polarização política são riscos para a democracia, mas termina dizendo que a saída é atender as principais demandas dos cidadãos

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 20h59

SÃO PAULO - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso publicou um artigo no jornal americano The Washington Post em que diz que o Brasil tem reunido "condições revolucionárias" nos últimos tempos. Segundo ele, a soma de crise econômica, polarização política e descrença da população estabelecem grandes riscos para as eleições de outubro. 

+ 'The Economist' diz que Bolsonaro é um 'menino travesso', e não um messias

Para evitar uma "regressão", o ex-presidente defende a convergência de líderes capazes de preencher o que chama de lacuna entre sociedade e política. Segundo o texto, publicado na quarta-feira, 6, essa seria a única forma de reconstruir a confiança no País. "Ou o Brasil se unirá a outras democracias em desintegração, como a Venezuela, que abraçaram falsos profetas e demagogos que persuadem a população que a única solução para a crise está na relação direta de um homem forte com as massas".

+ 'Quem não tem cão caça com gato', diz FHC sobre ausência de 'novo' na eleição

Caso isso ocorra, afirma o texto, a democracia, a liberdade e os interesses públicos estarão em risco. Ele diz ainda que o País tem uma série de problemas estruturais, como a necessidade de integração maior à rede global de produção e comércio. "Grande parte do dinamismo econômico do Brasil nas últimas décadas veio do aprofundamento e expansão do mercado interno. Mas falta capacidade de exportar bens manufaturados", escreveu. 

Além desses problemas, o ex-presidente criticou a política econômica do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato, e da ex-presidente Dilma Rousseff, que teriam realizados gastos fiscais de maneira "imprudente". Diz também que o sistema político brasileiro vive uma crise moral e que as investigações da Justiça têm mostrado grandes redes de corrupção entre governo, partidos e empresas. 

+ FHC pediu ‘SOS’ a Marcelo Odebrecht e enviou ‘dados bancários’, diz laudo da PF

Dentro desse contexto, o ex-presidente lembra que nenhuma revolução ocorreu no Brasil, mas diz que o País hoje testemunha condições revolucionárias. "Os vingadores estão se preparando para cortar as cabeças e são aplaudidos pela população. Se a história é um guia, o fim do jogo tende a ser a chegada de um líder carismático, salvador ou um homem forte que vem para acabar com a anarquia", diz.

Segundo Fernando Henrique, esses são os grandes riscos das próximas eleições, mas há uma saída. "Uma visão comum do futuro é a única mensagem que pode unir a sociedade. As demandas sociais estão ligadas às necessidades básicas das pessoas: a busca por empregos, a luta contra a desigualdade e as queixas sobre a incapacidade do Estado de prover segurança, moradia, transporte, saúde e, acima de tudo, educação", afirmou.

+ BASTIDORES: Manifesto para unir centro não empolga e expõe divisão

Para ele, o risco de regressão coexiste com a perspectiva de renovação. "Há, portanto, razão para a esperança - se encontrarmos a vontade política de transformar nossas instituições em sincronia com as aspirações públicas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.