MAURICIO SUMIYA/FUTURA PRESS
MAURICIO SUMIYA/FUTURA PRESS

Em agenda de campanha, Ciro faz críticas duras ao PT e a Bolsonaro

Candidato do PDT à Presidência nas eleições 2018 afirma que o partido do rival Fernando Haddad tem praticado 'coisas indefensáveis', mas afirmou que o partido 'não é tão autoritário quanto o Bolsonaro'.

Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2018 | 12h50

O candidato do PDT à Presidência nas eleições 2018, Ciro Gomes, voltou a criticar duramente o PT do presidenciável Fernando Haddad, e o concorrente Jair Bolsonaro (PSL). Após considerar as recentes declarações do ex-ministro José Dirceu e do PT como autoritárias, Ciro ressalvou que as posições petistas não são tão antidemocráticas como as de Bolsonaro.

"O PT tem praticado coisas indefensáveis, mas não é tão autoritário quanto o Bolsonaro", afirmou a jornalistas, em ato de campanha em Suzano, na região metropolitana de São Paulo. "Não se pode dizer uma coisa dessas, absolutamente. Seria injusto com a história de Haddad, principalmente."

Ciro ressaltou que, com estas posições, o PT não é "de esquerda há muito tempo". Ao direcionar a artilharia contra Bolsonaro, Ciro avaliou que "evidentemente ele está fugindo dos debates". "Claro que não posso comparar o que aconteceu comigo com o atentado dele, mas eu saí do hospital, com sonda ainda, e fui ao debate do SBT, em respeito ao eleitor." Ele criticou mais uma vez o vice de Bolsonaro, general Hamilton Mourão (PRTB), a quem voltou a chamar de "jumento de carga".

Última semana

Ciro disse que o foco desta semana que antecede o primeiro turno é o da educação e da economia, motes da sua campanha. "A mensagem que eu quero passar nesta última semana é a do emprego para os pais e educação de qualidade para os filhos", afirmou, durante agenda pública em Suzano, na região metropolitana de São Paulo. A cidade é o berço político de Marcelo Candido, candidato do PDT ao governo paulista.

Em discurso no coreto da Praça da Matriz, o candidato do PDT ressaltou a necessidade de se votar em candidatos do partido em todos os cargos. "Na dúvida, marca 12 de cima a baixo", afirmou.

O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, afirmou no final da manhã desta segunda-feira, 1°, que o foco desta semana que antecede o primeiro turno é o da educação e da economia, motes da sua campanha.

"A mensagem que eu quero passar nesta última semana é a do emprego para os pais e educação de qualidade para os filhos", afirmou, durante agenda pública em Suzano, na região metropolitana de São Paulo. A cidade é o berço político de Marcelo Candido, candidato do PDT ao governo paulista.

Em discurso no coreto da Praça da Matriz, Ciro ressaltou a necessidade de se votar em candidatos do partido em todos os cargos. "Na dúvida, marca 12 de cima a baixo", afirmou.

O pedetista usou ainda de ironia para se referir a Bolsonaro mais uma vez. Ao dizer temer que a eleição dele signifique um retrocesso institucional, Ciro brincou. "Deus me livre, ele não!", afirmou, puxando risadas dos apoiadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.