Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Elena Landau vai coordenar programa econômico de Simone Tebet

Pré-candidata à Presidência pelo MDB, senadora anuncia economista como integrante da campanha ao Planalto

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2022 | 16h09
Atualizado 03 de fevereiro de 2022 | 16h25

BRASÍLIA – A pré-candidata do MDB à Presidência da República, Simone Tebet, anunciou a economista Elena Landau como coordenadora da área econômica da campanha ao Palácio do Planalto.

Landau vinha conversando com a emedebista desde que a senadora tentou a presidência do Senado, em fevereiro do ano passado. A economista é defensora do teto de gastos e crítica da política econômica do governo do presidente Jair Bolsonaro.

Ao se lançar na disputa, Simone Tebet fez críticas ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e afirmou que iria montar uma equipe para desenhar um plano de desenvolvimento para o País. “Quem faz isso não é o ministro da Economia”, disse, em entrevista ao Estadão/Broadcast, em dezembro.

Colunista do Estadão, Elena Landau colaborou com o Programa Nacional de Desestatização nos anos 90. Em 1994, durante o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, ela se tornou diretora do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) – ela permaneceu no cargo até 1996. Também passou pelo conselho administrativo da Eletrobras.

Presidenciáveis montam equipes para programas econômicos

O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles é o porta-voz do programa de governo na área econômica do governador João Doria (PSDB), pré-candidato à Presidência pelo PSDB.

Além de Meirelles, que é secretário da Fazenda, a equipe tem três mulheres na equipe: as economistas Zeina Abdel Latif, Vanessa Rahal Canado e Ana Carla Abrão, colunista do Estadão.

O nome apontado como conselheiro econômico do ex-juiz Sérgio Moro é o de Affonso Celso Pastore, ex-presidente do Banco Central nos anos 1980.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.