Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

Eleitores de Bolsonaro contra o 'mimimi'

Apoiadores rejeitam o rótulo de ‘fascistas’

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2018 | 17h09

A gerente de recursos humanos Priscila Wilbert, de 39 anos, diz ter colocado o Facebook no “modo soneca para não ler comentários desagradáveis de eleitores do PT”. Ela também saiu de grupos de WhatsApp sobre comunicação não violenta e veganismo por ter sido chamada de racista. Agora, Priscila conta que 90% dos seus amigos e conhecidos votam em Jair Bolsonaro e que não perde tempo em conversar “com quem não quer escutar e é xiita”. 

A reportagem do Estado encontrou Priscila e outros três eleitores de Jair Bolsonaro (PSL): o empresário Rogério Wilbert, de 49 anos, marido de Priscila; o analista de sistema Vinícius Souza Diamantino, de 21; e o gerente de projetos Luciano Ramos Junior, de 39. A conversa aconteceu em um lugar definido por eles: a praça de alimentação de um shopping center de São Paulo.

Os amigos bolsonaristas dizem que o apoio ao candidato do PSL é um voto contra corrupção, valores distorcidos e o socialismo representado pelo PT. O medo de uma “venezuelização” do Brasil também está presente – assim como um senso de patriotismo. 

“Quero que a minha filha aprenda a cantar o Hino Nacional na escola como eu aprendi”, comentou Priscila. 

Nada tem irritado mais Luciano Ramos do que ser chamado de fascista por eleitores de Haddad. “Quando falam que a gente é fascista, está na cara que não estudaram, não sabem o que estão falando e (nem) sequer sabem o que é o fascismo”, disse. 

A questão religiosa também parece importante para o grupo de bolsonaristas. Vinicius Souza Diamantino conta que, como cristão evangélico, não pode se omitir – principalmente “pelo apoio à ideologia de gênero” que o PT representa. Segundo eles, o que existe contra Bolsonaro é “mimimi”. “Eu sofro preconceito por ser liberal, quase branco, casado com uma mulher, cristão... Minha mulher ganha mais do que eu, e eu acho fantástico”, afirmou Ramos. 

Para o grupo, as polêmicas em que o capitão reformado se envolve são “turbinadas” pelos opositores. “São coisas que meu pai falaria e que todo mundo ri. Não tem nada demais”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.