Eleitor carioca rejeita 'onda' Gabeira e elege Eduardo Paes

Para analista, com a eleição de Paes, o carioca mostrou um lado "conservador", abandonando 'rebeldia'

Luciana Nunes Leal e Daniel Galvão, de O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2008 | 20h05

O Rio ficou dividido no último momento da campanha do segundo turno, mas neste domingo, 26, optou pelo "conservadorismo" e elegeu o ex-deputado  Eduardo Paes (PMDB) o novo prefeito da cidade. Para o cientista político Carlos Melo, doutor pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com a eleição de Paes, o eleitorado carioca mostrou um lado "conservador", abandonando, por ora, a "tradicional rebeldia" que escolheu, entre outros, o ex-governador Leonel Brizola por duas vezes e que, neste pleito, levou o deputado  Fernando Gabeira(PV) para o segundo turno.  Veja também:Em disputa acirrada, Paes leva e é o novo prefeito do Rio Especial: Perfil dos candidatos do Rio  'Eu prometo' traz as promessas de Gabeira e Paes Geografia do voto: Desempenho dos partidos nas cidades brasileiras Confira o resultado eleitoral nas capitais do País  De acordo com Melo, a "surpresa de última hora" desta eleição foi mesmo a chegada de Gabeira à segunda etapa, empatado com Paes. "O candidato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Crivella (Marcelo Crivella, do PRB) ficou pelo caminho, e Eduardo Paes teve de suar para ganhar essa eleição, mesmo com toda a popularidade do Cabral (Sérgio Cabral Filho, governador)", afirma. Melo afirma que o candidato derrotado do PV chegou a dizer que haveria uma onda favorável a ele, porque, segundo o cientista, esse tipo de atitude é "típica" do eleitor do Estado. "Por outro lado, há um eleitor conservador que deu a vitória a Eduardo Paes." A parceria com os governos estadual e federal são a tônica do discurso de Paes. Para ele, foi válido todo o esforço feito durante a campanha para conseguir o apoio claro do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Frisando a necessidade de tirar o Rio do "isolamento político", situação que credita ao ex-prefeito Cesar Maia (DEM), ele destaca: "O que eu quero é deixar claro para a população minha disposição de trabalhar com os três níveis de governo conjuntos". Paes divide em três vetores suas primeiras ações à frente da prefeitura: a iluminação da cidade, o combate à violência com a Guarda Municipal e a atuação da prefeitura como "agente de promoção social". Ele também já elaborou um plano contra uma eventual epidemia de dengue no verão: trabalhar e treinar uma equipe própria, contratando temporariamente cerca de 1.800 agentes de saúde. Crítico ferrenho de Lula durante o escândalo do "mensalão", Paes vê o segundo mandato do presidente "muito melhor do que o primeiro". Agora aliado, ele acredita que Lula conseguiu superar bem o escândalo, que investigou como integrante da CPI dos Correios. Cauteloso, Paes evita falar sobre a sucessão presidencial de 2010 e considera prematura a avaliação de que, se eleito, transformará o Rio em um palanque para o candidato do presidente Lula. "A gente tem que tratar de 2010 em 2010. Não é para ser tratado agora", desconversa. Paes elegeu-se pelo PMDB, mas passou ao longo de sua vida política pelo PFL, PSDB e até PV, partido de seu adversário Fernando Gabeira. Sua vida pública começou cedo. Aos 23 anos, assumiu a subprefeitura de Jacarepaguá e da Barra e, aos 27, foi eleito vereador. Foi também deputado federal duas vezes. Seu último cargo público foi à frente da Secretaria Estadual de Turismo, Esporte e Lazer na gestão do governador Sérgio Cabral.   Ansiedade  A apreensão causada pela diferença apertada entre Paes e  Gabeira  durante toda a apuração só foi superada às 19h10, quando o silêncio foi rompido pelo grito das cerca de 30 pessoas que estavam na casa de Paes. Além dos gritos, a notícia da eleição garantida foi comemorada com os presentes entoando o jingle de campanha de Paes. Ao surgir no portão com o afilhado político, Cabral soltou um grito: "Ganhou o melhor, o mais bem preparado!"  Além do governador, acompanharam a apuração na casa de Paes o vice-governador Luiz Fernando Pezão, o senador Francisco Dornelles (PP), o vice de Paes, Carlos Alberto Muniz, e o deputado estadual Pedro Paulo (PSDB), um dos coordenadores de campanha. Eles participaram de uma pequena festa e seguiram para o comitê central de campanha, no Recreio, onde Paes daria sua primeira entrevista como prefeito eleito. (Márcia Vieira, de O Estado de S.Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.