José Patrício/AE
José Patrício/AE

'Eleições saíram da rota', diz vice de Soninha em SP

Lucas Albano diz que apoiará Serra, se 2º turno for entre o tucano e Russomanno

Guilherme Waltenberg, de O Estado de S. Paulo

13 de setembro de 2012 | 18h29

Candidato a vice na chapa de Soninha Francine (PPS), o advogado Lucas Albano (PMN) afirmou na tarde desta quinta-feira, 13, que as eleições deste ano "saíram da rota" com a liderança isolada do candidato do PRB, Celso Russomanno, nas recentes pesquisas de intenção de voto. Para Albano, o apoio de lideranças religiosas recebido pelo candidato do PRB poderá será cobrado, caso ele venha a ser eleito em outubro. "Foi uma surpresa para todo mundo esse avanço do Russomanno. É um candidato que é parlamentar há muito tempo, mas é mais conhecido pelos programas (de televisão) que fez. Não sei se seria o candidato ideal, está sendo amparado, e isso não é segredo nenhum, por umas facções religiosas", afirmou. "Obviamente se ele for eleito (essas igrejas) vão apresentar a fatura e não sei a posição dele com relação a isso", disse durante a série Entrevistas Estadão.

Para exemplificar a opinião de que, caso seja eleito, Russomanno poderá ser cobrado pelo apoio que vem recebendo de lideranças religiosas, o vice na chapa de Soninha Francine citou o ministro da Pesca, Marcelo Crivella (PRB), correligionário de Russomanno: "O PT teve apoio da igreja (universal nas eleições presidenciais de 2010) e, em contrapartida, eles exigiram um ministério", frisou.

Albano disse que, neste pleito, seu partido foi procurado por diversas siglas para formar aliança, inclusive pelo PSDB, de José Serra, com quem esteve coligado nas eleições para o governo do Estado em 2010. "O PSDB nos procurou e, devido à coligação com o PSD, do (prefeito Gilberto) Kassab, decidimos não apoiar. O prefeito causou um mal ao PMN", disse. Ele contou que três dos cinco deputados federais do PMN migraram para o PSD. "Reduziu pela metade nossa participação no fundo partidário", queixou-se.

 

Ainda assim, Albano garantiu que apoiará José Serra em um eventual segundo turno do tucano contra o líder nas pesquisas, Celso Russomanno. "A tendência é essa", afirmou. Ele disse ter restrições ao PT desde que seu partido apoiou a primeira eleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002.

Mesmo com restrições ao PT, Albano elogiou o atual candidato do partido, Fernando Haddad, e disse que, num eventual segundo turno entre ele e Russomanno, o petista terá seu voto. "O Haddad, embora seja do PT, como pessoa parece não ter sido respingado por esses escândalos que envolveram o partido dele. Talvez votaria nele para tentar dar mais uma chance para alguém do PT fazer alguma coisa", afirmou, deixando claro tratar-se de uma posição pessoal e não partidária.

O advogado afirmou ainda estar apreciando o julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal. "Como advogado estou gostando muito da atuação do Joaquim Barbosa (relator do caso), pois ele está sendo coerente", reiterou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.