Alex Silva / Estadão
Alex Silva / Estadão

Eleições 2022: PSDB no Senado firma posição contrária à PEC dos Precatórios

Apoio do partido, que se declara oposição ao governo Bolsonaro, foi crucial para aprovar PEC na Câmara em primeiro turno

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2021 | 14h31

A bancada do PSDB no Senado Federal vai se reunir na próxima terça-feira, 09, para firmar posição contrária ao texto da chamada PEC dos precatórios. "Em respeito a compromissos históricos, os senadores defenderão o legado do partido. O PSDB tem convicções já demonstradas de que é possível equacionar políticas de auxílio e distribuição de renda sem ferir de morte o frágil equilíbrio fiscal, ameaçado pela PEC", afirmou o presidente nacional da sigla, Bruno Araújo.

Em votação apertada, a Câmara dos Deputados aprovou nesta madrugada, em primeiro turno, por uma margem de apenas quatro votos, o texto-base da PEC dos precatórios, que abre espaço de R$ 91,6 bilhões no Orçamento de 2022 para o pagamento do Auxílio Brasil e outros gastos, durante o ano de eleições gerais no País. 

Considerada fundamental pelo governo para bancar o novo Auxílio Brasil, considerado pela oposição uma das principais bandeiras eleitorais do presidente Jair Bolsonaro, na tentativa de conquistar um segundo mandato consecutivo em 2022, a articulação do governo, capitaneada pelo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), contou com votos de siglas que estão na oposição, como o PSDB, PSB e PDT, com 312 deputados votando a favor da proposta e 144 contra.

Na contramão da bancada do Senado, a votação do primeiro turno da PEC dos Precatórios na Câmara dos Deputados contou com o apoio dos tucanos, quando 22 dos 32 deputados da sigla votaram favoravelmente, seis (da bancada paulista) votaram contra e três se abstiveram. Araújo não se manifestou sobre o racha do partido na Câmara. Postulantes a presidenciável da sigla nas eleições gerais do ano que vem, os governadores de São Paulo, João Doria, e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, também se manifestaram  contrários à PEC.

Após a aprovação em primeiro turno, os deputados irão analisar agora os destaques ao texto e votam a matéria em segundo turno. A previsão é que isso ocorra, segundo informou o líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), na próxima terça-feira, 09.  Apenas depois disso o texto será analisado pelo Senado.

De 81 senadores, seis em exercício são do PSDB: Izalci Lucas (DF), José Aníbal (SP), Mara Gabrilli (SP), Plínio Valério (AM), Roberto Rocha (MA) e Rodrigo Cunha (AL).

O presidente nacional do PSDB destacou ainda que, como partido que introduziu os programas de transferência de renda no nível federal, a sigla tem a consciência de que todas as ações de Estado com intuito de proteger os brasileiros mais vulneráveis não podem gerar inflação, recessão e descontrole, por desrespeitar os limites do orçamento. "A conta retorna justamente para os mais pobres. O partido irá discutir propostas alternativas e o PSDB no Senado será nossa trincheira na defesa de programas de transferência de renda que não gerem inflação", declarou Araújo por meio de nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.