Jarbas Oliveira/ EFE
Jarbas Oliveira/ EFE

Eleições 2020 têm recorde de candidatos policiais e militares, aponta anuário de segurança

São 7.258 postulantes com esse perfil, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgados neste domingo

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2020 | 09h00

As eleições municipais de 2020 bateram o recorde de candidatos provenientes de alguma instituição militar ou de segurança pública, de acordo com dados do 14º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado neste domingo, 18. São 7.258 postulantes a mandatos nesse perfil, concorrendo a cargos executivos e legislativos em todos os 5.570 municípios brasileiros, de acordo com o levantamento, elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

No final de setembro, no fim do prazo de registro de candidaturas, reportagem do Estadão mostrou que o número de policiais e de militares candidatos nas eleições 2020 havia dobrado em relação a 2016.

O estudo aponta uma tendência de concentração das candidaturas aos cargos de prefeito, e uma diminuição dos postulantes ao cargo de vereador. Entre 2012 e 2020, o número desses profissionais candidatos ao cargo de vereador teve redução de 7,2%. 

Há oito anos, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) havia registrado 7.322 concorrentes que integravam as forças de segurança; em 2020, o número caiu para 6.382 candidatos. No mesmo período, a quantidade de policiais e militares que são candidatos a prefeito cresceu de apenas 164, nas eleições de 2012, para 876 neste ano. 

A tendência, aponta o relatório, estava refletida também nas eleições gerais, que selecionam representantes para a Câmara dos Deputados e para o Senado. “As eleições municipais de novembro de 2020 consagram a tendência que começa a ganhar corpo especialmente a partir das eleições de 2014”, afirma o Fórum. De acordo com o texto, os deputados federais dessa origem têm aderido mais à ideia de que o endurecimento das leis pode resolver o problema de violência do Brasil.

“Vimos o número de deputados federais ligados às forças de segurança saltar de apenas quatro, na 54ª legislatura (2011-2014), para 19 eleitos em 2014 e, posteriormente para 73 policiais e militares das Forças Armadas Brasileiras eleitos para a Câmara dos Deputados em 2018. Na década, o aumento acumulado na representação parlamentar destas categorias profissionais saltou 1.725%”, diz o texto. 

Ainda de acordo com o anuário, os deputados federais oriundos de instituição militar ou da área de segurança pública têm dominado a Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara e “se caracterizam por defender pautas marcadamente corporativistas, com cada parlamentar olhando quase que exclusivamente para sua corporação de origem”. Essa atuação, segundo o fórum, dificulta o avanço de políticas sistêmicas para a segurança pública e a atividade policial.

“Identificamos que 8,2% dos projetos apresentados na área de segurança pública na Câmara dos Deputados entre 2015 e 2018 tratavam da atividade e da carreira policial. Mas 69% destes projetos tratavam de temas corporativistas, muitas vezes benefícios trabalhistas orientados a apenas uma das forças, justamente aquela de origem do propositor”, diz o relatório.

O Fórum levanta preocupações em torno da possibilidade de que o aparato armado do Estado ser influenciado por afinidades políticas e cita a participação de dez ministros militares, incluindo três generais da ativa, no governo federal. “Os Estados Unidos, por exemplo, têm na separação entre as Forças Armadas e a atividade política um pilar fundamental de sua democracia”, diz.

O relatório também revela temor em relação à intensificação de movimentos grevistas nas polícias militares, que não dispõem de direito de greve segundo a Constituição Federal, e cita o episódio em que o senador Cid Gomes (PDT) foi atingido por dois disparos ao enfrentar um grupo de PMs amotinados em Sobral, no Ceará, em fevereiro deste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.