Eleição é 'imprevisível', afirma revista 'The Economist'

Para revista britânica, 'economia oferece uma linha de ataque' aos adversários de Dilma na campanha deste ano

FERNANDO NAKAGAWA, CORRESPONDENTE / LONDRES, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2014 | 02h04

A primeira edição do ano da revista The Economist traz uma reportagem em que afirma que o resultado das eleições presidenciais de 2014 no Brasil é "imprevisível". Ao comentar que estudos mostram que o eleitorado brasileiro quer mudanças, a publicação diz que "o espírito dos protestos de junho ainda está vivo e uma parte do apoio a Dilma Rousseff poderia derreter se uma alternativa forte emergir". A revista britânica diz que a economia será um ponto frágil na campanha à reeleição da atual presidente da República.

"A economia oferece uma linha de ataque para concorrentes. Desde que Rousseff tomou posse em 2011, o crescimento tem sido anêmico. O desemprego é baixo e, até recentemente, a renda subia mais rápido que a inflação", observa a Economist. "Mas a criação de empregos e o aumento de renda agora estão esfriando, enquanto os preços continuam subindo. As finanças públicas se deterioraram e isso não será consertado em um ano eleitoral."

Além dos temas econômicos, a revista aponta o risco de voltarem a ocorrer protestos como os de 2013, em especial durante a Copa do Mundo. Outra ameaça é a possibilidade de que pelo menos uma cidade-sede do torneio tenha de ser retirada pelos atrasos na construção dos estádios. "Isso seria um grande constrangimento."

Apesar disso, a publicação nota que Dilma retomou parte da popularidade após os protestos de junho. Além disso, os demais candidatos ao Planalto não começaram efetivamente a fazer campanha ou ainda enfrentam problemas internos. "O PSDB de Aécio Neves foi atingido por indícios de corrupção e superfaturamento em contratos públicos em São Paulo", cita a revista britânica. "Eduardo Campos segue preparando um programa com sua provável companheira de chapa, Marina Silva."

Um mês atrás, a revista publicou reportagem sobre o cenário econômico brasileiro e os efeitos do baixo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) na campanha à reeleição de Dilma. A Economist ponderava que o País havia retomado investimentos em infraestrutura, o desemprego seguia baixo e a renda, em alta, ainda que em menor velocidade, mas que o governo tinha "pouco espaço de manobra" no ano eleitoral. No fim de 2012, a Economist chegou a pedir a demissão do ministro da Fazenda, Guido Mantega. No ano passado, foi irônica ao dizer que ele era "um sucesso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.