André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

É cedo para saber quem se beneficia com a saída de Barbosa, diz diretora do Ibope

Diretora-executiva do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari avalia que a novidade das eleições de 2018 'saiu de cena'

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2018 | 18h46

SÃO PAULO - Ainda é cedo para saber quem serão os maiores beneficiados pela desistência do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, do pleito presidencial, mas a eleição perdeu sua grande 'novidade', avaliou a diretora-executiva do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari. Segundo ela, a maioria dos eleitores ainda não começou a se interessar pela disputa desse ano e os partidos não começaram a afunilar as candidaturas, o que significa que a disputa continua muito aberta.

+ Sem Barbosa, especialistas veem poucas chances de um 'outsider' nas eleições

"Não dá pra saber, a priori, o potencial de votos que de fato Barbosa teria ou os beneficiados (com sua retirada), até porque ele nunca foi testado e ainda era relativamente desconhecido", disse Cavallari em entrevista ao Estadão/Broadcast

A diretora-executiva lembra que, no momento, apenas um terço do eleitorado disse demonstrar algum interesse na eleição e que os simpatizantes do jurista se concentravam justamente nos segmentos de maior escolaridade e renda, que já acompanham a política cotidianamente. Ou seja, dois terços da população ainda precisariam ser 'relembrados' sobre quem foi Barbosa. "O nível de reconhecimento dele ainda é pequeno, ele ainda tinha um trabalho de resgatar sua imagem", disse.

+ Presidenciáveis repercutem desistência de Barbosa

Olhando para os cenários com e sem a presença do ex-ministro na última pesquisa da casa, por outro lado, Cavallari nota que a presença de Barbosa retira mais intenção de votos de Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT), Jair Bolsonaro (PSL) e Geraldo Alckmin (PSDB), nesta ordem. O que significaria, em teoria, que esses candidatos estariam entre os mais beneficiados com a desistência do pessebista. A preferência pelo ex-presidente Lula é pouco afetada pela inclusão ou não do ex-ministro no pleito.

+ 'O PSB não tem plano B', diz líder do partido na Câmara

Outro fator determinante e que passa ao largo da desistência de Barbosa, diz a diretora do Ibope, é a grande quantidade de pré-candidaturas ainda em discussão. "O voto está muito pulverizado ainda, passa pela estratégia dos próprios políticos se coligar e agregá-lo votou ou continuar como está" notou.

Novidade 

Filiado ao PSB no final de abril, Barbosa agitou o cenário político nas últimas semanas ao somar até 10% de intenção de voto nas pesquisas de opinião mais recentes, dependendo do cenário testado. A sua desistência, diz Cavallari, tira do eleitor a única chance de votar em alguém viável e que poderia se apresentar como uma 'novidade', alguém de fora da política. "Como sabe, existe um grande desejo de mudança na população, mas a novidade agora está saindo de cena", avaliou.

+ Presidente do PSB diz que decisão de Joaquim Barbosa é 'compreensível'

A diretora-executiva do Ibope minimizou de outros pré-candidatos que poderiam preencher esse perfil, como João Amoedo (Novo), Flávio Rocha (PRB) e Paulo Rabello de Castro (PSC). "Caso eles realmente concorram, a grande dificuldade é a de se tornar conhecido em uma campanha que vai ser super curta. Barbosa era mais conhecido, foi do STF, participou do julgamento do mensalão, esse resgate seria mais rápido", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.