Dramas e comédias do poder

Vai ao ar em janeiro na TV Globo O Brado Retumbante, minissérie de Euclydes Marinho em oito capítulos, sobre um presidente da Republica fictício vivendo seus dramas e comédias políticos e existenciais no Brasil real, que não é pré nem pós-Dilma, mas um universo paralelo. O cotidiano e a intimidade de um presidente acidental, seus conflitos com a mulher e os filhos, a mãe tirânica e o velho tio picareta, as forças políticas em luta pelo poder, a imprensa e o Congresso, corruptos e faxineiros, arapongas e conspiradores, sua equipe de governo e a opinião pública. Tudo invenção, diversão, entretenimento. Mas como dizia o escritor Julio Cortázar, a ficção é a história secreta das sociedades.

NELSON MOTTA, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2011 | 03h09

Nos Estados Unidos já foram feitos inúmeros filmes e séries sobre presidentes fictícios, Martin Sheen, Morgan Freeman, Harrison Ford, e até Glenn Close, viveram presidentes no universo da ficção, às voltas com conflitos internacionais, domésticos e pessoais. Sim, "é tudo mentira", mas serve para o público penetrar no mundo fechado do poder, como voyeur do luxo e do lixo, das tramoias e ambições, dos ódios e paixões que movem personagens que decidem como nós viveremos, e até se viveremos.

No Brasil da ditadura nunca se ousou, por motivos óbvios. Imaginem uma minissérie com um general presidente? Mas a história de Collor daria uma boa ficção, com reviravoltas emocionantes, a CPI, o dia das camisas pretas, o impeachment, e até um assassinato misterioso no final: quem matou PC Farias? Já a história que começa nas Diretas Já e vai à eleição de Tancredo, sua agonia e morte, e termina com a posse de Sarney, seria tão absurda que dificilmente um espectador estrangeiro acreditaria nela, seria inverossímil. O governo Sarney só poderia ser ficcionalizado em forma de chanchada.

Com Guilherme Fiuza e Denise Bandeira, integrei a equipe que escreveu O Brado com Euclydes. Nos divertimos, mas foi muito difícil. Por mais fantasias e tramoias que se inventasse, todo dia éramos superados pelos jornais. E como criar nomes melhores que Valdebran e Gedimar ? É dura a vida de ficcionista no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.