Doria volta a prometer congelamento de tarifa de ônibus, mas não explica medida

A candidata do PMDB, Marta Suplicy, também prometeu o mesmo no debate Estadão/Gazeta/Twitter realizado no domingo, mas recuou na segunda-feira

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2016 | 13h22

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, João Doria, voltou a prometer na manhã desta terça-feira, 20, que não aumentará as tarifas de ônibus em seu mandato caso vença a eleição. O tucano, porém, não explicou como elevaria os subsídios às empresas de ônibus sem aumentar o teto de gasto além da inflação.

"Não vamos mexer nas tarifas. Elas serão mantidas nas condições que se encontram no momento", disse Doria após visitar um hospital em Itaquera, na Zona Leste da capital.

A candidata do PMDB, Marta Suplicy, fez essa promessa no debate Estadão/Gazeta/Twitter realizado no domingo, 18, mas recuou na segunda-feira, 19. Agora, ela diz que "não tem nada planejado".

O candidato do PSDB também voltou a defender o fim da redução de velocidade máxima nas marginais.

Pesquisa Ibope encomendada pela Rede Nossa São Paulo e divulgada nessa segunda-feira, mostra que houve um aumento de aprovação à medida pela população; 50% dos entrevistados aprovam a redução da velocidade.

"Isso não vai mudar a nossa decisão. Vamos retomar os limites de velocidade nas marginais ao que está estabelecido no Código Brasileiro e Trânsito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.