Estadão
Estadão

'Doria citou secretarias que não existem', diz Haddad sobre proposta de tucano

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo prometeu, se for eleito, acabar com as secretarias de Pessoa com Deficiência, Igualdade Racial, Juventude e Mulheres

Ricardo Galhardo e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2016 | 18h41

SÃO PAULO - O prefeito Fernando Haddad (PT) rebateu nesta quinta-feira, 18, a proposta do empresário João Doria, candidato do PSDB, que prometeu acabar com sete secretarias se for eleito, entre elas as de Pessoa com Deficiência, Igualdade Racial, Juventude e Mulheres.

"Nós iremos reforçar as políticas para mulheres, pessoas com deficiência, população LGBT e jovens. O candidato Doria mostra mais uma vez desconhecer a cidade. Das secretarias citadas por ele, três sequer existem." 

As coordenadorias LGBT e Juventude fazem parte da secretaria de Direitos Humanos da prefeitura. 

Após visitar uma feira livre nos Jardins na manhã desta quinta-feira, 18, Doria disse aos jornalistas que pretende reduzir de 27 para 20 o número de pastas.

"Não vamos mudar as políticas para deficientes, mulheres, negros, juventude e LGBT. Só não teremos secretarias. Teremos transversalidade na gestão", disse o tucano. 

As secretarias de Igualdade Racial, Mulheres e Direitos Humanos custam aos cofres públicos R$ 158,4 milhões, ou 0,29% do orçamento da Prefeitura em 2016, que é de R$ 54,4 bi. 

O vereador Andrea Matarazzo (PSD), candidato a vice de Marta Suplicy, também criticou a proposta de Doria. "Isso mostra que ele não tem noção das prioridades da cidade. A secretaria da Pessoa com deficiência promove a inclusão". 

Ex-tucano, Matarazzo lembra, ainda, que a secretaria de Pessoa com Deficiência foi criada pelo prefeito José Serra e que a primeira titular da pasta foi a hoje deputada federal Mara Gabrili, do PSDB. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.