Luís Blanco/Divulgação
Luís Blanco/Divulgação

Doria diz endossar carta do PSDB pedindo permanência de Leite no partido

Governador fez elogios ao colega gaúcho e justificou por que não assinou o texto

Matheus de Souza, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2022 | 15h12

SÃO PAULO -  O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que endossa a carta formulada pela cúpula do PSDB com o objetivo de convencer o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, a não deixar a legenda. Com elogios à gestão do gaúcho, Doria afirmou neste sábado, 19, que Leite é "jovem, competente e sério", e disse esperar que ele tenha um "final de semana de reflexão", que o apelo "toque seu coração" e que decida por permanecer na sigla.

A ausência da assinatura de Doria na carta, divulgada na última sexta-feira, 18, chamou a atenção. Em entrevista coletiva no hospital Pérola Byington, em São Paulo, o governador justificou que pediu para que o presidente estadual do PSDB, Marco Vinholi, assinasse o documento. "Quando assina o presidente, ele assina em nome de todos nós."

Nas últimas semanas, Leite tem sinalizado que pode concorrer à Presidência. Derrotado por Doria nas prévias do seu partido, o governador gaúcho tem sido sondado pelo PSD de Gilberto Kassab para ser o nome da sigla na disputa.

O documento foi assinado por 28 tucanos, entre eles senadores, deputados e ex-presidentes do partido e um governador. Entre eles, estão nomes importantes do PSDB, como o presidente da legenda, Bruno Araújo, os senadores José Serra (SP) e Tasso Jereissati (CE), e os ex-presidentes do PSDB Aécio Neves, José Aníbal, Teotônio Vilela e Pimenta da Veiga.

Aliados regionais de Eduardo Leite, os deputados gaúchos Lucas Redecker e Daniel Trzeciak também endossaram o apelo pela permanência.

Em resposta, Leite disse que ficou "sensibilizado" com a carta pública. Questionado se sua resposta indicava que ele pretende permanecer no PSDB, o governador respondeu que "continua o diálogo".

Embora venha indicando disposição em aceitar o convite de Kassab, Leite disse na quarta-feira, 16, que ainda tem tempo para tomar a decisão e que é preciso apoio político a uma eventual candidatura. "Vou usar a pista toda, temos pista ainda. O pessoal diz 'é pouco tempo, você não tem mais tempo, faltam 14 dias para tomar a decisão'. Então, vou usar o tempo que eu tenho disponível até onde eu achar que é o limite para tomar essa decisão, porque não depende apenas de mim. A minha disposição é conhecida", afirmou o tucano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.