Governo de São Paulo
Governo de São Paulo

Doria acena para terceira via e prevê eleições marcadas por 'campanhas sujas'

Tucano afirmou estar dialogando com Moro, Tebet, Pacheco e Vieira em busca de uma união do 'centro liberal-social'

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2022 | 23h52

Em live promovida pelo grupo Parlatório, neste domingo, 30, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), defendeu a união de pré-candidatos da terceira via como uma alternativa para romper a “polarização” entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL).

O tucano afirmou estar dialogando com os pré-candidatos Sérgio Moro (Podemos), Simone Tebet (MDB), Rodrigo Pacheco (PSD) e Alessandro Vieira (Cidadania) em busca de uma união do “centro liberal-social”. 

“Esses nomes querem avançar no campo democrático de centro. Se possível com uma única candidatura. O que faz sentido, já que temos dois extremos liderando a campanha eleitoral. Ao meu ver, a terceira via é a melhor via para o Brasil”, destacou o governador, que se descreveu como um conciliador.

Doria acredita que nenhum desses pré-candidatos tem projeto pessoal e que não haverá dificuldade na articulação do grupo. “Teremos que ter competência, discernimento, paciência e humildade para construir essa opção fortalecida”, pontuou.

Além do governador, estavam presentes na transmissão os ex-presidentes Michel Temer e Fernando Henrique Cardoso. Doria respondeu perguntas de convidados como o embaixador Rubens Barbosa, o ex–ministro Joaquim Levy e a bióloga Natalia Pasternak.

Para o tucano, as eleições serão marcadas por “campanhas sujas”. “Ou você tem resiliência e capacidade de fazer esse enfrentamento, ou já será derrotado antecipadamente com o nível de emparedamento e fake news", disse. Ele fez críticas a Lula e Bolsonaro e descreveu uma possível volta do petista à presidência ou a reeleição do atual mandatário como “um pesadelo”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.