Felipe Rau e Hélvio Romer / Estadão
Felipe Rau e Hélvio Romer / Estadão

Dois anos depois, Doria 'perde' 1,6 milhão de votos na capital

Saída precoce da Prefeitura leva eleitores da periferia a abandonarem tucano; Márcio França vence em oito zonas eleitorais da zona leste

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

08 Outubro 2018 | 15h11

Só se passaram dois anos entre a vitória em primeiro turno de João Doria (PSDB) na corrida pela Prefeitura, em 2016, e sua segunda disputa eleitoral, mas o mapa de São Paulo já mostrou os reflexos da escolhas feitas pelo tucano de lá pra cá. A decisão de renunciar ao cargo com apenas 15 meses de mandato, estampada nos programas de TV e rádio de seus adversários nesta campanha, provocou direta ou indiretamente a perda de 1,6 milhão de votos na capital – mais da metade do que obteve em 2016 –, a grande maioria na periferia. O resultado das urnas mostra ainda que o tucano deixou de ser o preferido em 21 zonas eleitorais – há dois anos, ele venceu em 56 e no domingo, 7, em 35.

Os extremos da cidade impuseram as maiores derrotas a Doria nesta eleição. O tucano viu moradores de oito zonas eleitorais da zona leste que o apoiaram em 2016 darem preferência agora ao candidato à reeleição Márcio França (PSB), que disputa o segundo turno com ele. Isso aconteceu, por exemplo, em São Miguel Paulista, Ermelino Matarazzo e Itaquera. 

Outros bairros importantes da região, como Cidade Tiradentes e Itaim Paulista, deram vitória ao petista Luiz Marinho, que ficou em primeiro em 12 zonas eleitorais. Ao todo, o atual governador venceu em nove– as duas restantes (Capela do Socorro e Jaraguá) deram preferência a Paulo Skaf (MDB), que ficou em terceiro na disputa.

Também o extremo da sul da cidade não deu vitória a Doria no primeiro turno da eleição. Além de não ganhar em Parelheiros e Grajaú (as duas únicas zonas eleitorais perdidas por ele em 2016 – quem venceu ali foi Marta Suplicy), o tucano não levou em Piraporinha, Capão Redondo e Valo Velho. Em todas essas localidades o vencedor foi Marinho, quarto colocado na eleição estadual. 

Por outro lado, o centro expandido todo, que reúne os bairros mais ricos da cidade, permaneceram fieis a Doria. Ele venceu com a maior vantagem no bairro de seu antecessor na Prefeitura e hoje presidenciável do PT, Fernando Haddad. Na zona eleitoral de Indianópolis, onde fica o Planalto Paulista, Doria obteve 42,94% dos votos válidos. Nos Jardins, onde o tucano mora, 41,53% dos moradores votaram nele.

Na briga direta com França, seu adversário no segundo turno, Doria levou leve vantagem na capital. O tucano alcançou 26,34% dos votos válidos, contra 22,16% de França – uma diferença de 231 mil eleitores. Skaf marcou 22,01% e Marinho, 16,24%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.