Doadores de Aldo agora atuam na Copa

Como vários parlamentares, novo ministro recebeu, como deputado, doações de empreiteiras responsáveis por construção de estádios

EDUARDO BRESCIANI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2011 | 03h08

O novo ministro do Esporte, Aldo Rebelo, recebeu doações para suas campanhas eleitorais em 2006 e 2010 de empreiteiras que atualmente estão envolvidas na construção de estádios para a Copa de 2014. É praxe entre empreiteiras fazer doações suprapartidárias, a diversos parlamentares, num valor padrão.

As construtoras Mendes Júnior e Odebrecht contribuíram com R$ 140 mil nas duas campanhas em que Aldo se elegeu deputado federal pelo PC do B paulista. O novo ministro recebeu também recursos de empresas patrocinadoras da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

A Mendes Júnior doou R$ 100 mil para Aldo no ano passado. A empresa participa do consórcio que constrói a arena de Cuiabá (MT) para o evento organizado pela Fifa. O estádio tem custo previsto de R$ 596,7 milhões, sendo R$ 392 milhões financiados pelo BNDES, segundo dados do portal da Copa, mantido pelo Ministério do Esporte. A construtora foi escolhida por meio de licitação realizada pelo governo de Mato Grosso.

O grupo Odebrecht, por sua vez, doou R$ 40 mil para o novo ministro em 2006. A empreiteira está à frente de obras de quatro estádios: Itaquera, em São Paulo; Maracanã, no Rio; Arena Pernambuco, em Recife; e Fonte Nova, em Salvador. Esses empreendimentos têm custo estimado em R$ 2,68 bilhões, segundo o portal da Copa. Todas têm financiamento do BNDES, totalizando R$ 1,52 bilhão.

Além das empreiteiras, três empresas patrocinadoras da CBF doaram recursos para a campanha do novo ministro, segundo a prestação de contas entregue ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Aldo recebeu R$ 50 mil do banco Itaú Unibanco, R$ 25 mil da Fratelli Vita Bebidas, que pertence à Ambev, e R$ 80 mil da Companhia Brasileira de Distribuição, que controla o Grupo Pão de Açúcar.

Aldo foi presidente de uma CPI que investigou a CBF e apontou irregularidades em contratos da entidade. Nos últimos anos, porém, o deputado aproximou-se de Ricardo Teixeira. Segundo o parlamentar, não há "ressentimentos" na relação.

Independência. O novo ministro tratou como normais as contribuições e afirmou que isso não terá interferência em seu trabalho. "Não atingiu e não atingirá de qualquer forma a minha independência", afirmou. Disse também não ter recebido qualquer orientação da presidente Dilma Rousseff sobre como lidar com a Fifa e afirmou pretender uma relação de cooperação, mas com independência.

As informações prestadas ao TSE mostram ainda um dado curioso. O deputado perdeu quase a metade de seu patrimônio desde 2006. Naquele ano, Aldo declarou ter R$ 612,9 mil em bens. No ano passado, o montante caiu para R$ 376,3 mil. A perda se deve basicamente a uma casa de R$ 203 mil declarada em 2006 que não consta na prestação de contas do ano passado. Em 2010, o único imóvel declarado por Aldo é uma casa em Viçosa (AL), que estava em construção quatro anos antes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.