Dissidente do PSB, prima de Campos decide rumo após reunião

Marília Arraes vai definir seu futuro político depois de encontro com Roberto Amaral, Luiza Erundina, Lidice da Mata e Glauber Braga

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

26 de outubro de 2014 | 11h26

RECIFE - Crítica ferrenha do PSB pernambucano, a vereadora socialista Marília Arraes, prima do ex-governador Eduardo Campos, vai decidir seu rumo político partidário, com possibilidade de deixar o partido, depois de uma reunião com dissidentes da sigla no âmbito nacional.

"Minhas críticas não são isoladas", observou, na manhã deste domingo, 26, durante café oferecido pelo coordenador estadual da campanha de Dilma, senador Humberto Costa. "O partido é controlado a mão de ferro em Pernambuco, mas no Brasil há críticas semelhantes."

Ela disse aguardar um encontro com o ex-presidente nacional socialista Roberto Amaral, a deputada federal Luiza Erundina, a senadora baiana Lidice da Mata e o deputado federal Glauber Braga, do Rio. "Vamos ver se tomamos uma decisão em conjunto, ou não", disse.

Além de ter feito oposição no primeiro turno ao candidato eleito pelo PSB, Paulo Câmara, ela condenou o apoio do partido a Aécio Neves neste segundo turno. "Uma manobra que coloca o pragmatismo acima da ideologia, uma manobra que visa apenas ao poder pelo poder", definiu.
Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesMarília ArraesPSB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.