Washington Alves/Estadão
Washington Alves/Estadão

Disputa embolada pela 2ª vaga em Minas

Ibope aponta Anastasia (32%) como líder, seguido de Pimentel (20%) e Zema (18%)

Jonathas Cotrim , O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2018 | 05h00

BELO HORIZONTE - A menos de 24 horas do início da votação, pesquisa Ibope/Rede Globo de intenção de votos para o governo de Minas apontou um até então inédito empate técnico na disputa pela segunda colocação entre o atual governador Fernando Pimentel, do PT, com 20%, e o candidato do partido Novo, Romeu Zema, 18%. O senador Antonio Anastasia (PSDB), se mantém na liderança com 32%. A margem de erro é de 2 pontos, para mais ou para menos.

A situação de empate técnico se deu após um crescimento de oito pontos porcentuais do candidato do partido Novo em relação à última pesquisa do mesmo instituto, divulgada nesta terça-feira, 2, somada à oscilação negativa de dois pontos de Pimentel. 

Na quarta colocação está o candidato do MDB, Adalclever Lopes, que se manteve com 4%, e João Batista Mares Guia (Rede), com 2%. Dirlene Marques, do PSOL, Claudiney Dulim, do Avante, e Jordano Metalúrgico, do PSTU, tiveram um 1%. Treze por cento dos entrevistados disseram que votarão em branco ou anularão, e 9% disseram que não sabem em quem votarão.

Se considerados apenas os votos válidos – quando são excluídos os nulos, brancos e indecisos –, Anastasia registra 42%, Pimentel aparece com 25% e Romeu Zema tem 23%. Em um possível segundo turno entre Anastasia e Pimentel, o tucano venceria com 46% dos votos, enquanto Pimentel teria 27%. O Ibope também indicou que Fernando Pimentel segue como o candidato com maior índice de rejeição, com 40%, enquanto Anastasia tem 24% e Romeu Zema, 10%. 

Se mantiver a tendência de alta e “roubar” de Pimentel a segunda vaga no segundo turno, o candidato do Novo pode encerrar uma polarização entre PSDB e PT que dura 25 anos no cenário nacional, e persistia em Minas. O Estado é governado por tucanos e petistas desde a primeira eleição de Eduardo Azeredo, em 1995 – a exceção é o período entre abril de 2014 e janeiro de 2015, quando o então vice-governador Alberto Pinto Coelho Jr., do PP, assumiu o cargo. 

Em nota, Romeu Zema disse que seu crescimento nas pesquisas é sinal de insatisfação dos eleitores mineiros. “Estou confiante que estarei no segundo turno. Colocando fim à esta polarização que só trouxe prejuízos para Minas Gerais e para os mineiros”, disse Zema. 

“Só tenho a agradecer aos mineiros que me dão a liderança em todas as pesquisas divulgadas até agora”, disse o candidato do PSDB por meio de nota divulgada por sua assessoria de imprensa. A campanha de Fernando Pimentel disse que não comenta pesquisas. 

Senado. A presidente cassada Dilma Rousseff (PT) segue na liderança na disputa ao Senado, apesar de perder três pontos porcentuais em relação à pesquisa de terça-feira. Dilma tinha 29% e agora tem 26% das intenções de votos. 

Na briga pela segunda vaga, o candidato do PHS, Carlos Viana, com 18%, empata tecnicamente com o postulante do DEM, Rodrigo Pacheco, que também tem 18% e com Dinis Pinheiro, do Solidariedade, que ficou com 16%. Pacheco e Pinheiro são companheiros de chapa, da coligação de Antonio Anastasia. O candidato do PDT, Fábio Cherem, vem em seguida, com 12%.

Pelos votos válidos, Dilma Rousseff está com 20% das intenções de voto. Carlos Viana e Rodrigo Pacheco estão empatados com 14%. Dinis Pinheiro vem em seguida, com 12%. 

Foram ouvidos 2002 eleitores de 115 municípios entre 4 e 6 de outubro. O registro no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG) é MG - 01559/2018, e no Tribunal Superior Eleitoral é BR - 08924/2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.